Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

"Somos todos Carlos Ghosn": libaneses se mobilizam em apoio ao executivo preso no Japão

media "Somos todos Carlos Ghosn", dizem cartazes em solidariedade ao executivo em Beirute, no Líbano. REUTERS/ Mohamed Azakir

A capital libanesa amanheceu nesta quinta-feira (6) com o rosto do executivo franco-líbano-brasileiro Carlos Ghosn estampado em diversos cartazes pelas ruas. O presidente da montadora Renault continua preso em Tóquio, depois de ter sido demitido das japonesas Nissan e Mitsubishi Motors, por suspeita de fraude fiscal.

"Somos todos Carlos Ghosn": é o slogan da campanha, realizada em inglês por uma empresa de publicidade libanesa, em apoio ao executivo. Um dos gerentes da sociedade e o idealizador da iniciativa Dany Kamal, afirma que teve a ideia por conhecer pessoalmente e admirar Ghosn.

"É uma campanha contra a injustiça", explica Kamal. Para o publicitário, até que seja provado o contrário, Ghosn deve ser considerado inocente.

O presidente da Renault é extremamente admirado no Líbano. Nascido em Porto Velho (RO), em 1954, deixou o Brasil ainda criança e se instalou em Beirute com a família, de origem libanesa. Na juventude, fez seus estudos superiores em Paris e começou sua carreira profissional na francesa Michelin.

No entanto, Ghosn manteve fortes laços com os libaneses, viajando regularmente para o país que o homenageia com frequência. Em 2017, o rosto dele chegou a estampar selos postais. O empresário também investe no setor do vinho local e bancário.

Desde que foi detido em Tóquio em 19 de novembro, acusado de dissimular 5 bilhões de iens (equivalente a cerca de R$ 164 milhões) em cinco anos em que liderou a Renault-Nissan-Mitsubishi, o executivo é alvo de uma onda de solidariedade no Líbano.

Nas redes sociais, fotos de Ghosn ao lado da mensagem "Inocente" circulam desde sua detenção. "Você é um galho do cedro [árvore que é símbolo do Líbano] e estamos com você", diz um internauta no Facebook.

Diplomacia libanesa em favor de Ghosn

Não bastasse a onda de apoio da população, a diplomacia também se mobilizou em favor do empresário. No dia 27 de novembro, o ministro libanês das Relações Exteriores, Gebran Bassil, convocou o embaixador japonês em Beirute, Matahiro Yamaguchi, para questioná-lo sobre alguns pontos em relação às circunstâncias em que Ghosn foi preso.

"O fênix libanês não será queimado pelo sol do Japão", afirmou o ministro do Interior do Líbano, Nohad Machnouk.

Na quarta-feira (4), a promotoria de Tóquio solicitou uma nova ordem de prisão contra Ghosn por suspeitas de que o executivo também tenha declarado rendimentos abaixo do que realmente recebeu por outros três anos. As investigações também podem ser ampliadas por outros motivos, pois a Nissan acusa o empresário de ter cometido abusos de bens sociais, como o uso de residências de luxo às custas do grupo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.