Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • EUA: tiroteio deixa três mortos em supermercado em Oklahoma
Mundo

Coreia do Sul cede aos protestos de ativistas e desmantela maior matadouro de cães do país

media Fazenda precária de produção de carne de cães em Seongnam, ao sul de Seul. 22/11/18 Handout / THE HUMANE SOCIETY / AFP

As autoridades sul-coreanas começaram nesta quinta-feira (22) a desmantelar o maior matadouro de cães do país. Na Coreia do Sul, os defensores dos animais estão lutando para impedir o consumo de carne canina.

A carne de cachorro faz parte da tradição culinária da Coreia do Sul, onde cerca de um milhão de bichos dessa espécie são abatidos anualmente, segundo estimativas. No entanto, esse consumo está em declínio. Os sul-coreanos consideram o cão cada vez mais como um “companheiro” e não como um animal destinado a acabar na panela. A prática está se tornando um tabu, sobretudo entre os jovens.

O complexo Taepyeong-dong, localizado na cidade de Seongnam, no sul de Seul, agrupava pelo menos seis matadouros, que abrigavam centenas de cães e era um dos principais fornecedores de carne canina de restaurantes especializados em todo o país. O lugar será desmantelado em dois dias e se transformará em um parque público, segundo as autoridades municipais.

Os defensores dos animais denunciaram maus-tratos com os cães e acusaram os funcionários do local de matar os bichos de maneira cruel. Os cachorros eram, por exemplo, eletrocutados e mortos na frente de outros cães, trancados em gaiolas.

Ao visitar o matadouro na quinta-feira (22), os ativistas encontraram equipamentos para eletrocutar e cadáveres de cães abandonados, segundo a organização norte-americana Humane Society International. "É um momento histórico", declarou a associação Kara, defensora dos diretos dos animais, em seu blog. "Isto abrirá o caminho para novos fechamentos de matadouros de cães em todo o país e acelerará o declínio da indústria de carne canina como um todo".

Mudança de hábito

Segundo um estudo realizado no ano passado, 70% dos sul-coreanos não comem carne de cachorro, mas só 40% consideram que o consumo dever ser proibido. Cerca de 65% das pessoas entrevistadas acreditavam que os cães tinham que ser criados e mortos nas melhores condições.

Não existe uma lei que regule o abate de cachorros na Coreia do Sul. Os criadores pedem ao governo que sujeite este setor aos mesmos regulamentos que o do gado, mas os defensores do animal exigem sua total abolição.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.