Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Carlos Ghosn teria comprado mansões no Rio de Janeiro e em Beirute com sonegação

media Imprensa japonesa revelou que Carlos Ghosn comprou pelo menos duas residências de luxo com frutos da suposta fraude REUTERS/Regis Duvignau

A imprensa japonesa revelou nesta terça-feira (20) novas informações sobre a detenção do presidente-executivo da aliança automobilística Renault-Nissan-Mitsubishi, acusado de fraude fiscal e uso de dinheiro e recursos da empresa para fins pessoais. O franco-líbano-brasileiro teria usado os fundos, entre outras coisas, para comprar residências no Brasil e no Líbano.

Frédéric Charles, correspondente da RFI em Tóquio

Segundo o jornal Nikkei,Ghosn teria comprado, com dinheiro do grupo japonês, duas casas luxuosas, no Rio de Janeiro e em Beirute. De acordo com o jornal, referência econômica do país, uma filial da Nissan Motor gastou US$ 17,8 milhões nas casas para o executivo.

As transações teriam sido feitas por meio de uma filial holandesa constituída em 2010. Ainda segundo Nikkei, a entidade jurídica que adquiriu os bens teria sido criada para realizar investimentos em start-ups. No entanto, a empresa teria sido usada para fins pessoais de Ghosn, com a cumplicidade de seu principal colaborador.

Já a emissora pública japonesa “NHK” afirma que também foram compradas casas em Paris e Amsterdã “sem nenhuma razão comercial legítima”. O canal também diz que o empresário pode ter usado os fundos da empresa para pagar as viagens de seus familiares. 

Além da fraude, a administração japonesa revela detalhes sobre a investigação. O Ministério da Economia suspeita que o franco-líbano-brasileiro queria absorver as empresas Nissan e Mitsubishi Motors por meio da criação de uma grande holding baseada em Amsterdã.

As autoridades japonesas também questionam o equilíbrio da aliança entre Nissan e Renault.

O empresário foi detido na segunda-feira (19) na capital japonesa, acusado de sonegação fiscal.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.