Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Cem anos após Primeira Guerra, nacionalismo volta a ameaçar Europa

Cem anos após Primeira Guerra, nacionalismo volta a ameaçar Europa
 
O Presidente francês Emmanuel Macron com sua esposa e chefes de Estado e Governo, durante cerimônia de comemoração do Dia do Armistício, 100 anos após o fim da Primeira Guerra Mundial, no Arco do Triunfo, em Paris, França, em 11 de novembro de 2018. Ludovic Marin/Pool via REUTERS

No dia 11 de novembro, há 100 anos atrás, os sinos tocaram de alegria, celebrando o Armistício que pôs fim à Primeira Guerra Mundial. Ninguém sabia ainda que era só o primeiro ato da terrível guerra civil europeia, que continuou com a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria. Pela primeira vez, a velha guerra de infantaria, com seus fuzis e baionetas, foi confrontada com a nova guerra das metralhadoras pesadas, dos canhões de longo alcance e dos bombardeios da aviação. Uma matança desconhecida até então: 20 milhões de mortos, entre militares e civis, e 20 milhões de feridos. 

As populações jovens foram dizimadas e as fronteiras profundamente alteradas. As destruições e reparações de guerra alimentaram crises econômicas pavorosas que desembocaram em regimes totalitários na Alemanha, Itália e União Soviética. Um caldo de nacionalismo e ódio responsável por outro conflito planetário ainda mais sangrento: 60 milhões de mortos - na maioria simples civis -, sem falar no extermínio industrializado de 6 milhões de judeus pelo regime nazista.

A integração política e econômica foi a única maneira de evitar uma terceira catástrofe. Começou com os países ocidentais do Velho Continente e continuou, depois da queda do Muro de Berlim, com o “alargamento” dessa construção europeia à Europa central e oriental. Mas o último meio século sem morticínios gerais só foi possível graças à ajuda econômica americana e ao guarda-chuva militar dos Estados Unidos, garantido pela OTAN. 

Hoje, o perigo está de volta: é a fragmentação da integração europeia, atacada por movimentos nacionalistas e nostalgias autoritárias. E o pior é sempre possível quando as nações europeias entram na espiral dos chauvinismos xenófobos. 

Foi por esta razão que o presidente francês resolveu lançar um Foro pela Paz em Paris e convidou 70 chefes de Estado para celebrar o centenário do Armistício de 1918. O jovem líder francês alertou para os perigos do nacionalismo e para a volta “dos velhos demônios”, proclamando claramente que o “nacionalismo é uma traição ao patriotismo”, e denunciando a perda dos valores morais daqueles que “dizem “nossos interesses primeiro”, aconteça o que acontecer com os outros”. Uma alusão direta a Donald Trump e a Vladimir Putin. 

Europa ameaçada

É que a situação está cada dia mais perigosa. A Europa não está só ameaçada por dentro, pelos movimentos xenófobos e nacionalistas. Duas grandes potências, a Rússia e agora os Estados Unidos, de Donald Trump, estão fazendo de tudo para desintegrar e dividir o Velho Continente

Putin ameaça militarmente as fronteiras do Leste e apoia diretamente qualquer movimento ou grupelhos nacionalistas europeus, com fundos e ofensivas massivas e clandestinas nas redes sociais. O objetivo é criar a confusão e a polarização política dentro de cada Estado europeu para favorecer os partidos abertamente nacionalistas. Moscou quer uma Europa dividida e fraca para poder tratar em posição de força e de maneira bilateral com cada país individualmente. 

Paradoxalmente, Washington está na mesma linha. Tanto no campo econômico quanto na área da segurança estratégica, Trump prefere sócios europeus desconjuntados, dependentes do poderio americano, para poder impor o seu “América Primeiro”. As últimas iniciativas do lourão da Casa Branca – a ruptura do acordo nuclear com o Irã, a denúncia do tratado com a Rússia sobre os mísseis nucleares intermediários ou a guerra comercial contra a China – nem se dignaram consultar os aliados europeus. 

A Europa está ameaçada de tornar-se um espaço dividido, imprensado entre o poderio dos Estados Unidos de Trump e as manobras de Putin. Só que em geral, quando os europeus se entregam aos seus “velhos demônios”, isso sempre acaba em conflitos sangrentos. E guerra na Europa é quase sempre sinônimo de guerra mundial. 

Emmanuel Macron entendeu perfeitamente o desafio e, por enquanto, é o único líder com carisma suficiente para propor uma União Europeia mais forte e integrada. Mas se fracassar no intento, o mundo que aperte os cintos. Pode vir chumbo grosso.
 


Sobre o mesmo assunto

  • França/Primeira Guerra

    França: em discurso para lembrar cem anos da 1ª Guerra, Macron pede que esperança vença medo

    Saiba mais

  • França/protesto

    Militantes do Femen driblam segurança e protestam em comemorações do fim da 1ª Guerra em Paris

    Saiba mais

  • Um pulo em Paris

    Centenário do fim da Primeira Guerra Mundial reúne 60 líderes mundiais em Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.