Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Grupo Estado Islâmico reivindica ataques no Sri Lanka sem fornecer evidências
Mundo

Erdogan diz que países ocidentais receberam gravação de assassinato de Khashoggi

media Recep Tayyip Erdogan durante entrevista coletiva no aeroporto Esenboga, em Ancara, pouco antes de embarcar para a França AFP PHOTO/MURAT CETIN MUHURDAR/TURKISH PRESIDENTIAL PRESS SERVIC

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou, neste sábado (10), a existência de gravações sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2 de outubro no consulado saudita de Istambul. O representante de Ancara disse ter compartilhado o material com Arábia Saudita, mas também com aliados ocidentais.

Com informações do correspondente da RFI em Istambul, Alexandre Billette

Essa é a primeira vez que o presidente turco confirma o que a imprensa afirmava há dias: a existência de gravações do assassinato do jornalista saudita no consulado em Istambul. “Eles conhecem a verdade sobre o assassinato de Jamal Khashoggi”, disse Erdogan diante da imprensa, em referência aos serviços secretos internacionais. "Demos as gravações (...) à Arábia Saudita, a Washington, aos alemães, aos franceses, aos ingleses", insistiu o presidente.

Vários meios de comunicação turcos afirmaram que Ancara tinha uma gravação do assassinato e que ela havia sido compartilhada com a diretora da CIA, Gina Haspel, durante uma viagem à Turquia no final de outubro. Mas a existência de tais arquivos não havia sido confirmada oficialmente até agora.

Com essa declaração, Erdogan aumenta a pressão sobre Riad, mas também sobre os aliados ocidentais. O presidente turco também acusou novamente as autoridades sauditas de conhecerem os responsáveis pelo crime e, mesmo assim, fazerem o possível para que a investigação fracasse.

Dissolvido e jogado no ralo

O jornal turco "Sabah" também revelou neste sábado que os assassinos de Khashoggi se desfizeram de seu corpo, despejando-o no sistema de encanamento depois de ter sido dissolvido em ácido. O exame de amostras extraídas do encanamento da casa do cônsul saudita em Istambul permitiu detectar restos de ácido, segundo o jornal pró-governamental, que não cita a fonte da informação.

Os investigadores consideram que o corpo do jornalista crítico do regime de Riad foi dissolvido e que, uma vez atingida a consistência suficientemente líquida, os autores do crime se desfizeram dele, despejando-o no ralo – informa o "Sabah".

Khashoggi desapareceu em 2 de outubro, no consulado saudita em Istambul, onde tinha ido resolver um trâmite administrativo. Depois de negar inicialmente o assassinato, as autoridades sauditas primeiro falaram de uma "briga" que terminou mal, antes de afirmar que o jornalista de 59 anos morreu durante uma operação não autorizada e sobre a qual o príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman não havia sido informado.

A escolha deste sábado para revelar a existência das gravações não é inocente. O presidente turco deu a entrevista coletiva pouco antes de embarcar para a França, onde participa das comemorações do centenário do fim da Primeira Guerra Mundial. O assassinato do jornalista é um dos assuntos que pode ser cogitado durante a reunião entre os líderes mundiais em Paris.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.