Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Em clima de tensão com a Rússia, Otan realiza exercícios na Noruega

media Tanques da Otan durante manobras em Adazi, na Latvia, em 23 de outubro de 2018 (Foto: Reuters)

A Otan inicia nesta quinta-feira (25) na Noruega suas maiores manobras militares desde o fim da Guerra Fria. Moscou classificou os exercícios de “anti-Rússia”.

Quase 50.000 soldados, 10.000 veículos, 65 navios e 250 aeronaves de 31 países participarão no exercício "Trident Juncture 18", que busca treinar a Aliança do Atlântico Norte para a necessidade de socorrer algum membro em caso de agressão. "O ambiente em termos de segurança na Europa piorou significativamente nos últimos anos", destacou o secretário-geral da Otan, o norueguês Jens Stoltenberg.

"Trident Juncture envia uma mensagem clara a nossas nações e a qualquer adversário potencial: a Otan não busca o confronto, mas estará preparada para defender todos os aliados contra qualquer ameaça", afirmou em uma entrevista coletiva na quarta-feira (24).

Apesar de não ter apontado o "adversário potencial", a Rússia estava na mente de todos, um país com força militar e que compartilha com a Noruega uma fronteira de 198 quilômetros. O exército russo anexou a Crimeia, contribuiu para desestabilizar o leste da Ucrânia, aumentou suas capacidades no Ártico e, em setembro, organizou as maiores manobras de sua história no Extremo Oriente.

A embaixada russa em Oslo classificou o Trident Juncture de exercício "anti-Rússia" e afirmou que parece uma "provocação, apesar da tentativa de justificativa com objetivos puramente defensivos". Moscou não esconde o mal-estar com o reforço da presença militar ocidental na região. Estados Unidos e Grã-Bretanha decidiram intensificar as atividades na Noruega para acostumar suas tropas a combater no frio.

Trump acusa Rússia de desenvolver novo míssil

No sábado, o presidente americano Donald Trump aumentou a tensão ao anunciar a saída dos Estados Unidos do tratado sobre armas nucleares de médio alcance (INF, Intermediate Nuclear Forces Treaty), assinado em 1987. Trump, que acusou a Rússia de desenvolver um novo míssil, o SSC-8, ameaçou aumentar o arsenal nuclear de seu país.

Apesar de Donald Trump confundir sobre seu compromisso com a Otan, sobretudo a respeito do artigo 5 e suas obrigações de defesa coletiva, o exército americano participa no Trident Juncture com o maior contingente, mais de 14.000 soldados e um grupo aeronaval. "Treinamos na Noruega, mas, certamente, as lições que aprendermos com o Trident Juncuture serão pertinentes em outros países", disse Stoltenberg.

Além dos 29 países membros da OTAN, o exercício - que deve prosseguir até 7 de novembro - também terá as participações da Suécia e da Finlândia.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.