Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Presidente turco revela que morte de jornalista saudita foi planejada e crime político

media Presidente turco Recep Tayyip Erdogan em discurso ao parlamento nesta terça-feira (23) em que falou sobre a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi. REUTERS/Tumay Berkin

O presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan em discurso ao parlamento, na manhã desta terça-feira (23), revelou que uma equipe de três agentes sauditas chegou à Turquia na véspera do desaparecimento do jornalista dissidente Jamal Khashoggi. Segundo ele, o trio teria ido a uma floresta próxima de Istambul e a Yalova, uma cidade localizada à beira do Marmara, a 90 km ao sul de Istambul, dois locais onde a polícia turca fez buscas pelo corpo do jornalista.

Erdogan revelou ainda que quinze outros sauditas chegaram a Istambul no dia do desaparecimento de Khashoggi e que as câmeras de segurança instaladas dentro
do consulado foram desligadas. "Existem provas sólidas de que o assassinato de Khashoggi foi planejado", declarou. Ele classificou a morte como um "assassinato bárbaro" e um "crime político".

O presidente turco disse ainda que falou por telefone com o presidente americano Donald Trump e que eles estão de acordo sobre a necessidade de continuar as investigações para que toda a verdade seja revelada. Ele destacou que ainda há muitas perguntas sem resposta. "Por que houve tantas versões contraditórias sobre o ocorrido? Por que 15 pessoas da Arábia Saudita vieram à Turquia justo antes da morte? Por que o consulado só foi aberto às investigação vários dias depois do ocorrido? O corpo teria sido entregue a um colaborador local, quem é ele?", são algumas das questões levantadas pelo líder turco. Ele disse ainda estar em contato com o rei Salman, da Arábia Saudita, e está "confiante de que ele vai colaborar com as investigações".

As declarações de Erdogan são feitas depois que a Arábia Saudita admitiu, no último sábado (20), que o jornalista havia sido morto em seu consulado em Istambul. Segundo um comunicado divulgado pelo governo saudita, a morte teria sido consequência de uma briga entre Kashoggi e as pessoas com quem ele se encontrou no consulado.

 
O tempo de conexão expirou.