Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Ministros do G7 cobram esclarecimentos sobre morte de jornalista saudita na Turquia

media Ativista segura cartaz com imagem do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado em Istambul, cujo corpo está desaparecido REUTERS/Leah Millis

Até agora, as explicações de Arábia Saudita sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi deixam "muitas perguntas sem resposta", disseram os ministros das Relações Exteriores do G7 nesta terça-feira (23) em uma declaração conjunta.    

"Os responsáveis pelo assassinato devem prestar contas. A Arábia Saudita deve tomar medidas para garantir que algo assim nunca mais possa acontecer", disse o comunicado. 

A declaração foi aprovada pelos ministros das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos, além do alto representante da União Europeia.

Nela, eles "condenam nos termos mais fortes possíveis" a morte de Khashoggi.    Depois de mais de duas semanas de quase silêncio, a Arábia Saudita admitiu no sábado que Khashoggi, de 59 anos, foi morto em seu consulado em Istambul.

Um ex-membro da família real que se tornou crítico do príncipe herdeiro saudita, Khashoggi desapareceu depois que ele entrou no consulado em 2 de outubro para coletar um documento para o seu casamento.

"A confirmação da morte de Jamal Khashoggi é um primeiro passo em direção à total transparência e responsabilidade. No entanto, as explicações oferecidas deixam muitas perguntas sem resposta", disseram os ministros do G7.

Investigação completa

"Reiteramos nossa expectativa de uma investigação completa, confiável, transparente e imediata por parte da Arábia Saudita, em total colaboração com as autoridades turcas, e uma contabilidade completa e rigorosa das circunstâncias que cercam a morte de Khashoggi", disse o comunicado.

O porta-voz da primeira-ministra britânica, Theresa May, descreveu separadamente como "profundamente perturbadores" relatos de que partes do corpo de Khashoggi foram encontradas em Istambul. "Estamos cientes dos relatórios. Eles são profundamente perturbadores", disse o porta-voz.

"Nossos pensamentos estão com a família de Jamal Khashoggi, para quem eles devem ter sido particularmente angustiantes. A localização do corpo do Sr. Khashoggi é apenas uma das questões que precisamos de respostas e, como tal, aguardamos os resultados completos da investigação turca", completou. 

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o "assassinato selvagem" foi meticulosamente planejado, exigindo que todos aqueles ligados ao assassinato enfrentem a punição.

Dinamarca

O Ministério das Relações Exteriores dinamarquês anunciou na terça-feira a nomeação do embaixador saudita em Copenhague após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do Reino em Istambul no início de outubro.

"O embaixador do Reino da Arábia Saudita foi chamado ao Ministério das Relações Exteriores em conexão com o caso do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi", disse um porta-voz do ministério. Nenhuma data foi comunicada.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.