Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Indonésia tardou a pedir ajuda internacional, diz enviado especial da RFI a Palu

media Na Indonésia, as autoridades divulgaram nesta manhã um novo balanço de vítimas do terremoto e do tsunami. Ao menos 1234 pessoas morreram. Antara Foto/Abriawan Abhe/ via REUTERS

Ainda é difícil de avaliar o nível dos estragos que atingiram Palu, na Indonésia, uma das cidades mais atingidas pelo terremoto e o tsunami da última sexta-feira (28). A catástrofe, de acordo com um novo balanço, deixou pelo menos 1234 vítimas. Nesta segunda-feira (2/10), o país pediu ajuda à comunidade internacional.

“A Indonésia é um país que em geral não gosta de pedir ajuda internacional, por isso essa atitude, cerca de três dias depois da catástrofe, mostra que as autoridades minimizaram a tragédia ocorrida na ilha de Célèbes, no final de semana”, diz o enviado especial da RFI à Palu, Joël Bronner. Os primeiros dias, diz, foram cruciais para encontrar sobreviventes, mas, a partir de agora, o objetivo é evitar a insalubridade que toma conta da região.

Os corpos ainda estão sendo retirados do local. Uma das imagens mais chocantes, narra o correspondente, é a dos cadáveres dos 34 estudantes de Teologia soterrados em uma igreja. A população já começou a enterrar as vítimas do terremoto em fossas comuns. Os cerca de 191 mil sobreviventes agora precisam de ajuda urgente, segundo a ONU.

Saques em mercados e depósitos

No único centro de distribuição de comida de Palu, gerenciado pelas Forças Armadas, a tensão é palpável. Dezenas de pessoas gritam nas filas para receber alimentos: “temos fome, temos fome!” Um habitante declara que o local não é adaptado para a situação atual em Palu. “As pessoas estão sem paciência. Isso aqui vai virar o caos! Disse aos militares que são necessários três pontos de distribuição”, declara.

Nas últimas 48 horas, os saques em supermercados e depósitos se multiplicaram no país e ao redor, explica o correspondente. “A situação é caótica. As pessoas estão desesperadas de ver seus familiares sem comida. Eu, por exemplo, estou buscando comida para meus filhos e minha mulher. Todo mundo quer alimentar sua família, o que é problemático”, resume um morador da cidade.

Indonésia é atingida por outros dois terremotos

Dois terremotos, de 5,9 e 6 graus de magnitude, abalaram na manhã desta terça-feira (02/10) a região da ilha indonésia de Sumba, informou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS). O epicentro do primeiro tremor, a 10 km de profundidade, foi situado a 40 km de Sumba, ilha de 750 mil habitantes.

O segundo abalo, de 6 graus, ocorreu quinze minutos depois, na mesma zona, com epicentro a 30 km de profundidade. Sumba está situada a 1.600 km das ilhas Célebes, onde outro terremoto seguido de tsunami matou ao menos 844 pessoas na sexta-feira.
   

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.