Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Membro do Pussy Riot é hospitalizado em estado grave com suspeita de envenenamento

media Os quatro ativistas invadiram o campo durante a final da Copa de 2018 REUTERS/Darren Staples

Um membro do grupo militante Pussy Riot foi hospitalizado em estado grave em Moscou, anunciou nesta quinta-feira (13) uma de suas colegas, que não descarta a hipótese de envenenamento. A vítima fez parte da ação que levou ativistas ao estádio na final da Copa do Mundo de 2018.  

De acordo com Veronika Nikoulchina, companheira de Piotr Verzilov, o jovem começou a se sentir mal na quinta-feira à noite. O mal-estar ocorreu algumas horas após o julgamento onde Nikoulchina era acusada de desobediência policial e ao qual Verzilov compareceu para apoiá-la.

“Ele perdeu a visão, pensamos que era por causa do cansaço, mas foi piorando, ele não conseguia mais falar, não reconhecia as pessoas”, declarou Nikoulchina à radio Echo Moskvy. “Não excluo a possibilidade de um ataque.”

Verzilov segue hospitalizado em estado grave no serviço de reanimação toxicológica de um centro médico do nordeste de Moscou. Em julho, Veronika Nikoulchina e Piotr Verzilov invadiram o estádio do final da Copa do Mundo da Rússia, vestidos de policiais, e ficaram presos por 15 dias pela ação.

Verzilov também é o fundador do site MediaZona, que informa sobre os processos de ativistas defensores dos Direitos Humanos. Recentemente, ele também trabalhou num filme com Alexandre Rastorgouïev, que foi assassinado com outros dois jornalistas enquanto fazia uma reportagem sobre mercenários russos na África.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.