Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Haddad tem missão de resgatar capital político de Lula, diz jornal Le Monde

media Fernando Haddad substitui Lula como candidato à presidência nas eleições de 2018. REUTERS/Rodolfo Buhrer

A oficialização da candidatura de Fernando Haddad na corrida presidencial brasileira foi destaque da imprensa francesa nesta quarta-feira (12). Diversas publicações repercutiram o anúncio feito na terça-feira (11), em Curitiba, pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Para o Le Monde, Haddad tem a "missão delicada de recuperar o capital político de Lula para levar o PT à vitória em outubro". O jornal classifica a tarefa como "um desafio" e retrata o ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo como alguém "leal mas ambicioso". A publicação ressalta que ele teve que enfrentar resistências dentro do próprio partido para conseguir consolidar sua candidatura e prevê que ele deve crescer nas pesquisas com os programas de televisão e o apoio de Lula. O texto indica, no entanto, que ele deve enfrentar dificuldades já que não tem "nem a voz rouca de seu mentor, nem sua oratória". O Le Monde lembra ainda que Haddad teve dificuldades em lidar com protestos contra o aumento da passagem de transporte público durante seu mandato como prefeito de São Paulo, dizendo que ele não soube "nem antecipar nem gerir as manifestações populares de 2013".

Já o jornal Le Figaro indica que Haddad tem crescido nas pesquisas, passando de 4% a 9% na última sondagem do Datafolha, mas ressalta que a extrema direita continua a liderar as intenções de voto.

Novas estratégias do PT

A publicação 20 minutes mancheta "Game Over para Lula, Haddad é indicado candidato em seu lugar". O texto ressalta que se Lula concorresse, estaria praticamente eleito e destaca a estratégia da campanha de usar o slogan "Haddad é Lula". A publicação informa ainda que os advogados do ex-presidente tentaram por diversas vias fazer as autoridades nacionais cumprirem a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU que reafirmou o direito de Lula a ser candidato.

Para o Libération, "Lula jogou a toalha". O jornal destaca diversos trechos da Carta ao Povo Brasileiro divulgada pelo ex-presidente e fala do ato realizado em frente à carceragem onde Lula está preso. Libération destaca ainda a presença de duas mulheres-chave na campanha do novo candidato do PT: sua esposa Ana Estela Haddad, que segundo o texto estava muito emocionada na ocasião, e sua vice, Manuela d'Ávila, do Partido Comunista do Brasil do Rio de Janeiro. Já o site Les Echos diz que Haddad, o afilhado de Lula, quer ser uma barreira para a extrema direita no Brasil.

A notícia não foi destaque apenas nos jornais impressos. Rádios e televisões também informaram sobre a saída de Lula da corrida eleitoral. Há um grande interesse em conhecer o perfil de Fernando Haddad e entender quais as suas reais chances de crescer a pouco menos de um mês que resta do primeiro turno das eleições.

 
O tempo de conexão expirou.