Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Estudo mostra que 52% dos internautas culpam políticos por propagação de fake news

media Políticos são responsáveis por divulgar más informações © Jessica Kourkounis / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

A grande maioria dos internautas – 63% – se estima capaz de identificar uma “fake news”, uma notícia falsa, quando navega pela internet, segundo um estudo do instituto Ipsos feita em 27 países e publicada nesta sexta-feira (7). Apenas 41%, entretanto, pensam que a média da população seja tão perspicaz quanto eles.

O estudo foi realizado de 22 de junho até 6 de julho de 2018 com 19.243 pessoas. O documento inclui dados de países como França, Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Itália, Reino Unido ou Japão.

Com relação ao que leva alguém a acreditar em fake news, 52% pensam que a culpa é de políticos, que divulgam dados incorretos. Por outro lado, 49% julgam que a culpa é da mídia e 41% afirmam que as grandes mentirosas são as redes sociais.

O inferno são os outros

Ele também aponta que 65% dos internautas acham que os outros “vivem em sua própria bolha” online, buscando opiniões com as quais se sentem confortáveis. Somente 34% dos entrevistados tiveram a coragem de admitir que eles mesmos se alimentam de notícias nas quais se espelham.

60% estimam ter visto “regularmente veículos de imprensa dizer, deliberadamente, uma mentira”, enquanto 48% declaram ter acreditado em uma informação, antes de se darem conta de que não verdade.

Para 56% das pessoas que responderam à pesquisa, uma “fake news” é uma “história com fatos falsos” e 36% definem o termo como “palavras utilizadas por políticos e jornais para deslegitimar informações com as quais não concordam”. Essa taxa se eleva à 51% nos Estados Unidos, um número que se justifica pelo discurso do presidente norte-americano Donald Trump para argumentar contra uma informação, de acordo com Ipsos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.