Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Aumento da concentração de CO2 vai provocar deficiências nutricionais, diz estudo

media Leguminosas como feijões, lentilhas, ervilhas, soja e grão-de-bico são ricas em ferro, zinco, cálcio, fósforo, potássio, vitaminas do complexo B e ácido fólico. ©Wolfgang Kaehler/Getty Images

Cientistas acabam de comprovar que o aumento da concentração de gás carbônico (CO2) na atmosfera, além de ser prejudicial para o clima, também tem efeitos nocivos sobre a qualidade da nossa alimentação.

De acordo com um estudo publicado na revista científica Nature Climate Change do mês de agosto, elevados índices de CO2, um dos gases responsáveis pelo efeito estufa, reduzem o teor de nutrientes encontrados nos vegetais. As plantas são a principal fonte de proteínas para os seres humanos (63% do aporte diário), de ferro (81%) e de zinco (68%).

Em 2050, segundo a pesquisa feita por cientistas da escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard (EUA), 1,4 bilhão de mulheres grávidas e crianças de até 5 anos de idade poderão ficar privadas da dose diária de ferro recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse grupo mais vulnerável da população ficará exposto à anemia e a outras doenças.

A deficiência de zinco irá afetar 175 milhões de pessoas, enquanto outras 122 milhões deverão apresentar carência de proteínas. As elevadas concentrações de gás carbônico na atmosfera serão responsáveis pelo aumento de pessoas com deficiências nutricionais, adverte o estudo. Atualmente, 2 bilhões de pessoas em todo o mundo já manifestam carência de um ou mais nutrientes no organismo.

Índia sentirá o impacto

De acordo com o estudo, a Índia teria o maior fardo, com cerca de 50 milhões de pessoas se tornando deficientes em zinco, um componente importante para evitar diarreias e facilitar a cicatrização. Outros 38 milhões de indianos deverão apresentar carência de proteínas, essenciais para o crescimento. No caso do ferro, cerca de 502 milhões de mulheres e crianças poderão ser afetadas pelo baixo aporte do componente, essencial para evitar complicações na gravidez.

Outros países do sul e sudeste da Ásia, do norte e centro da África, assim como o Oriente Médio, também sofrerão um impacto significativo das alterações no volume de gás carbônico na atmosfera.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.