Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

De capitão de críquete a líder nacional: conheça o provável novo primeiro-ministro paquistanês

media Imran Khan, ex-jogador de críquete, está a poucos passos de se tornar primeiro-ministro do Paquistão PTI handout/via REUTERS

Enquanto os votos ainda são contados no Paquistão e acusações de fraude se espalham pelo país, milhares de apoiadores de Imran Khan já festejam sua vitória nas ruas. Ainda não há resultado oficial das eleições, mas o candidato do Movimento do Paquistão pela Justiça (PTI) reivindicou a vitória na tarde desta quinta-feira (26). “Nós vencemos. Deram-nos um mandato”, declarou ele em um discurso transmitido pela televisão paquistanesa.

Ex-jogador de críquete, Khan levou o Paquistão a sua primeira e única vitória em Copa do Mundo, como capitão da seleção nacional em 1992. Ele já estava aposentado e foi chamado de volta, aos 39 anos, para conduzir a equipe na competição.

Tendo estudado em Oxford e vivido uma vida glamorosa na Inglaterra, que incluiu um casamento, em 1995, com uma herdeira inglesa 22 anos mais jovem, ele fez a festa dos tabloides. Poucos anos depois, em 1996, ele decidiu começar uma carreira política. Sem aparelhos partidários, sua nova empreitada enfrentou muitas dificuldades. Foi apenas nos anos 2010 que ele começou a ganhar espaço.

Em 2018, após quase cinco anos de campanha permanente, ele está a poucos passos de se tornar primeiro-ministro do país. Com um forte discurso anticorrupção, ele conseguiu agradar a uma classe média descontente com as tradicionais famílias políticas paquistanesas. Apesar de nunca ter estado no governo, Khan soube fazer alianças, algumas delas controversas, com líderes regionais islâmicos que podem lhe garantir um apoio importante. Mesmo que algumas delas ameaçassem o voto de seus eleitores mais jovens e escolarizados, ele decidiu apostar tudo nesta que, segundo ele, será sua última campanha eleitoral, aos 65 anos.

Khan se reivindica nacionalista e muçulmano e tem marcado posições contraditórias em temas como a relação com a Índia e com o Talibã. Com um programa de governo que parece mudar ao prazer das circunstâncias, ele não abandona o tom populista e promete limpar a classe política paquistanesa. Essa postura tem rendido a ele o apelido de Donald Trump do Paquistão.

Segundo a comissão eleitoral paquistanesa, os resultados finais da eleição podem demorar ainda 24 horas para serem divulgados. Saberemos então se este personagem complexo e contraditório será, de fato, o novo líder do país.

 
O tempo de conexão expirou.