Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Acesso a tratamento contra Aids bate recorde, mas ONU alerta para falta de verba

media Vacina experimental contra o vírus da Aids. MUJAHID SAFODIEN / AFP

Os números revelam um recorde importante: três a cada cinco soropositivos do mundo têm acesso a tratamentos antirretrovirais, indica um relatório da Unaids nesta quarta-feira (18). Por outro lado, a ONU teme que a falta de verba a impeça de manter esse patamar de luta contra a Aids.

Ao todo, atualmente, 21,7 milhões de pessoas são medicadas contra a Aids: a maior proporção já atingida na história, afirma a Unaids, programa da ONU que coordena ações contra a doença.

A luta contra a Aids no mundo, no entanto, enfrenta um paradoxo. Ao mesmo tempo que se atingiu o recorde de tratamento de soropositivos, o diretor-executivo da Unaids, Michel Sidibé, teme não conseguir manter esses números. Segundo ele, faltam US$ 7 bilhões por ano para os programas de combate à doença.

EUA deve cortar contribuições à Unaids

No ano passado, US$ 20,6 bilhões de euros foram utilizados em programas de luta contra a Aids apenas nos países pobres, que, segundo o relatório, conseguem financiar somente 56% dos tratamentos. O maior contribuidor no combate à doença são os Estados Unidos, mas, sob a administração Trump, Washington prevê cortes importantes neste orçamento.

"O medo é que a diminuição nas contribuições internacionais gere uma diminuição nos investimentos internos dos países mais atingidos pela epidemia", afima Sidibé. Segundo ele, "ao menos 44 países utilizam 75% da ajuda internacional". "Se não dispusermos destes recursos, há um risco importante de um novo salto nas contaminações, com um grande risco de resistência e aumento da mortalidade devido à Aids", reiterou.

15,2 milhões de soropositivos sem tratamento

No ano passado, 940 mil pessoas morreram por causa da Aids, um número em queda se comparado com os dados de 2016, quando quase 1 milhão perdeu a vida. Atualmente 15,2 milhões de soropositivos não têm acesso a tratamento.

Além disso, apenas em 2017, 1,8 milhões de novas contaminações foram registradas no mundo, afirma a Unaids. Segundo Sidibé, para vencer a epidemia, seria necessário que 30 milhões de pacientes fossem tratados até 2020.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.