Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Tailândia: jovens retirados da caverna estão bem, mas não poderão ir à final da Copa do Mundo

media Mergulhadores conseguiram nesta segunda-feira retirar mais quatro adolescentes presos na caverna inundada Twitter @elonmusk/via REUTERS

Os oito jovens retirados da gruta inundada na Tailândia não poderão assistir à final da Copa do Mundo na Rússia no dia 15 de julho, como propôs a Fifa. De acordo com Thongchai Lertwilairatanapong, representante do Ministério da Saúde, eles deverão ficar no hospital em quarentena.

Do total de 12 jovens que ficaram presos na caverna, três ainda estão à espera do resgate, além do treinador, e devem sair nesta terça-feira (10). Um deles foi retirado nesta manhã. Quando soube do drama, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, enviou uma carta para a o presidente da Federação Tailandesa de Futebol, sugerindo que eles assistissem à final da competição, mas os meninos devem acompanhar o jogo pela TV.

Mergulhadores conseguiram na segunda-feira (9) retirar mais quatro adolescentes presos em uma enorme caverna da cidade tailandesa de Mae Sai, em uma operação de resgate perigosa, na qual oito meninos já foram salvos.

"Os oito estão em bom estado, não têm febre", disse à imprensa Jesada Chokedamrongsuk, secretário permanente do Ministério da Saúde, no hospital Chiang Rai. "Todos estão em bom estado mental", declarou Chiang Rai, acrescentando que permanecerão no hospital durante uma semana em observação.

“O grupo foi submetido a vários exames e dois meninos, que apresentavam sintomas de pneumonia, receberam antibióticos e estão bem", revelou o secretário. Os meninos estão isolados no hospital, mas seus pais podem vê-los através de um vidro. No interior da caverna permanecem ainda quatro adolescentes e seu professor de 25 anos.

Os mergulhadores de elite da marinha tailandesa, que tiveram um papel crucial na arriscada operação, postaram um "Hooyah", seu grito de guerra, em sua página no Facebook ao anunciar o resgate de mais quatro jovens jogadores da equipe dos "Javalis Selvagens".

O salvamento dos quatro meninos na segunda-feira seguiu um padrão similar ao da véspera, com os jovens sendo imediatamente socorridos ao serem retirados da caverna. O comandante da junta militar que governa a Tailândia desde o golpe de Estado em 2014, general Prayut Chan-O-Cha, visitou o local nesta segunda-feira (9).

Minissubmarino de resgate

"Todos podem se orgulhar. Mas a missão ainda não está cumprida", declarou Chan-O-Cha. O presidente de SpaceX e Tesla, o americano Elon Musk, anunciou nesta terça-feira que se encontrava no local e que havia enviado um minissubmarino de resgate. "Acabo de voltar da Caverna 3. O minissubmarino está preparado se for necessário", tuitou o empresário.

O dispositivo, fabricado com uma peça de um foguete Falcon de SpaceX, tem forma tubular e seu diâmetro é suficientemente pequeno para passar pelos túneis mais estreitos da caverna, mas grande o suficiente para que um menino possa entrar. A pessoa que fica em seu interior não precisa nadar nem usar cilindro de ar comprimido.

A Tailândia aguarda um final feliz para todos os 12 meninos e seu técnico de futebol, presos na caverna de Thuam Luang, norte do país, desde 23 de junho, um acontecimento que atraiu centenas de jornalistas de todo o mundo para a região. As chuvas de monção, que ameaçam inundar novamente a complexa rede subterrânea, de quase 10 quilômetros de comprimento, são o principal desafio para os socorristas, que temem novas tempestades antes da retirada de todo o grupo da caverna.

O time de futebol integrado por 12 meninos com idades entre 11 e 16 anos, e seu jovem técnico, passaram nove dias nas profundidades da caverna até que dois mergulhadores britânicos localizaram o grupo na segunda-feira passada. Abatidos, eles estavam sobre uma rocha a mais de quatro quilômetros da entrada da gruta. A complexa operação de resgate começou no domingo (8), graças ao trabalho de mergulhadores experientes que guiaram os meninos ao longo de um caminho tortuoso, com trechos inundados e passagens muito estreitas.

Muitos meninos não sabem nadar

Os mergulhadores precisaram descansar entre as duas missões e colocar mais cilindros de oxigênio ao longo do percurso. Isto explica o intervalo no resgate. Além das dificuldades do percurso, sob a água, a situação é mais complicada porque muitos meninos não sabem nadar e nenhum deles já praticou mergulho.

Um ex-mergulhador da Marinha tailandesa morreu durante os trabalhos de preparação do resgate, o que demonstra a complexidade da missão. A falta de espaço também dificulta as operações. A família de "Night", um dos garotos,  acredita que o grupo decidiu explorar a caverna após o treino de futebol para celebrar seu aniversário de 16 anos. Eles se viram surpreendidos pelo aumento do nível da água no local, na fronteira com Mianmar e Laos.

Após a localização, as equipes de resgate examinaram todas as soluções possíveis, desde a perfuração de túneis nas montanhas até a possibilidade, descartada, de aguardar por várias semanas pelo fim da temporada de monção. Com a ameaça de mais chuva e o nível reduzido de oxigênio na galeria em que o grupo encontrou refúgio, as autoridades decidiram no domingo iniciar o resgate - mesmo com trechos de mergulho - depois de considerar que as condições eram ideais.

(Com informações da AFP Brasil)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.