Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Onda de calor mata pelo menos 70 pessoas no Canadá

media Os moradores de Montreal, no Québec, viveram dias de forte calor no início de julho REUTERS/Hyungwon Kang

De acordo com o Ministério da Saúde do estado do Québec, só na capital, Montreal, 34 pessoas morreram vítimas das altas temperaturas que atingiram o país nos últimos dias.

Desde o início de julho, uma forte onda de calor atinge o leste do Canadá e particularmente a província do Quebec, acostumada ao frio que pode chegar a 30 graus negativos no inverno. As mortes foram, em princípio, provocadas pelas altas temperaturas, mas as autópsias vão definir se outras causas puderam influenciar no estado de saúde dos pacientes. Cerca de 60% das vítimas são homens que vivem sozinhos em prédios sem ventilação.

Segundo as autoridades canadenses, as temperaturas voltaram a cair na região e o risco de novos incidentes diminuiu. Mas o episódio trouxe à tona a situação em alguns hospitais. Muitos deles, segundo o Conselho para a Proteção dos Pacientes, não têm ar-condicionado, e muitas vezes os próprios pacientes devem pagar um “extra” pelo ar fresco, em quartos onde as temperaturas ultrapassam os 30 graus.

Abrigos para cães têm ar-condicionado

“Os abrigos para animais têm ar-condicionado, talvez possam inspirar os locais onde se recebem pessoas”, alfinetou o presidente do Conselho, Paul Brunet, em entrevista à rádio Canadá. Na última sexta-feira (6), o órgão pediu a abertura de uma investigação independente sobre o número de mortes causada pelo calor. Há suspeitas de que pessoas com a saúde frágil tenham morrido em um centro de tratamento.

O primeiro-ministro do Quebec, Philippe Couillard, admitiu que é importante prever, nos futuros hospitais, “uma ventilação mais adequada.” No Twitter, o premiê canadense, Justin Trudeau, enviou condolências às famílias das vítimas. Em 2010, uma onda de calor deixou mais de 100 mortos na região de Montreal.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.