Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Justiça da Índia confirma pena de morte para criminosos que estupraram estudante em ônibus

media Os pais da jovem que foi estuprada em 2012. Asha Singh, a mãe (no centro), e Badrinath Singh, o pai (direita) durante coletiva da Suprema Corte da Índia em Nova Delhi, em 9 de julho de 2018. Prakash SINGH / AFP

O Tribunal Supremo da Índia confirmou nesta segunda-feira (9) as penas de morte impostas a três homens pelo estupro em grupo e assassinato de uma jovem dentro de um ônibus em Nova Déli em 2012. O caso desencadeou uma série de protestos no país e levou o governo a reforçar a legislação contra as violências sexuais.

Em dezembro de 2012, Jyoti Singh, uma estudante de Fisioterapia de 23 anos, foi violentada com extrema brutalidade por seis homens em um ônibus da capital indiana, diante de seu namorado. A jovem não resistiu aos ferimentos e faleceu poucos dias depois no hospital. "O pedido de revisão dos três condenados foi rejeitado", afirmou A. P. Singh, advogado dos acusados.

Quatro réus foram condenados em setembro de 2013 por assassinato, estupro em grupo, roubo e conspiração, após sete meses de julgamento. Apenas três deles tiveram o recurso rejeitado nesta segunda-feira. Um quinto suspeito, o motorista do ônibus, apresentado como líder do grupo, morreu antes do início do julgamento: ele cometeu suicídio na prisão.

O sexto acusado, que no momento do crime tinha 17 anos, cumpriu apenas três anos de prisão, pena máxima prevista para menores de idade. Sua libertação no fim de 2015 provocou protestos em todo o país. Após a decisão do Tribunal Supremo, os condenados ainda têm a possibilidade de um último recurso legal contra a pena capital ou para solicitar o indulto presidencial.

Caso levou a reforço da legislação

O caso, repleto de simbolismo, provocou uma grande comoção na sociedade indiana e evidenciou a violência cometida contra as mulheres neste país. Na época, a Índia reforçou a legislação contra as agressões sexuais e acelerou os processos judiciais para este tipo de caso. A justiça também introduziu a pena de morte em caso de estupro com homicídio ou cometidos por recidivistas.

De acordo com as estatísticas disponíveis, a Índia registrou 40 mil estupros em 2016, mas os especialistas acreditam que a maior parte das violências sexuais não são denunciadas pelas vítimas. Em 2017, 371 pessoas aguardavam a execução da pena de morte por este tipo de crime, mas elas continuam sendo raras. Nos últimos 25 anos, apenas quatro criminosos foram enforcados.

(Com informações da AFP Brasil)

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.