Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 12/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 12/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Nascidos depois de 1975 são menos inteligentes, mostra estudo norueguês

media Inteligência humana estagnou, aponta estudo norueguês DR

O QI das pessoas que nasceram depois de 1975 é mais baixo, segundo uma pesquisa publicada nesta segunda-feira (11) pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. De acordo com os cientistas, o motivo é um ambiente cultural “menos favorável” para as gerações mais jovens.

Os economistas Bernt Bratsberg e Ole Rogeberg, autores do estudo, testaram o QI de jovens noruegueses do sexo masculino nascidos entre 1962 e 1991. O objetivo foi avaliar as causas do chamado efeito “Flynn”. De acordo com essa teoria, desenvolvida pelo psicólogo James Flynn, o crescimento do índice que mede a inteligência, normal na história da humanidade, estagnou em nossa época.

A pesquisa comparou os QIs de irmãos e pessoas oriundas de meios socioeconômicos idênticos e geneticamente parecidos. Nessas famílias, o QI das pessoas nascidas entre 1962 e 1975 era 0,20 ponto maior. Em seguida, ele baixou cerca de 0,33 ponto por ano entre os indivíduos que nasceram entre 1975 e 1991.

Excesso de exposição às telas

A queda da inteligência não está ligada ao gene ou a aspectos sociológicos, segundo os economistas. “Esses fatores às vezes estão presentes, mas têm pouca influência se os compararmos a outros, ambientais”, afirmam os pesquisadores. Eles citam “o declínio dos valores educacionais”, a “degradação dos sistemas educativos e escolares, da educação dentro das famílias, da nutrição e da saúde”, e o “excesso de exposição às telas e à mídia.”

A chegada de crianças imigrantes, vindas de países onde o sistema escolar é menos exigente, já citada por outros especialistas, é uma hipótese que foi descartada do estudo. “Ainda que nossos resultados confirmem a afirmação de que os principais fatores são ambientais e variem dentro das famílias, não foi possível identificar especificamente o que contribui para essa diminuição do QI”, dizem os autores do estudo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.