Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Kim já está em Cingapura e prevê ir embora 5 horas depois da reunião com Trump

media O líder norte-coreano, Kim Jong Un, cumprimenta o ministro das Relações Exteriores de Cingapura, Vivian Balakrishnan, na chegada à cidade-Estado. © Reuters

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, chegou neste domingo (10) a Cingapura, algumas horas antes do americano Donald Trump, para a cúpula histórica de terça-feira (12) sobre a desnuclearização da península coreana.

No momento em que o imprevisível presidente dos Estados Unidos suscita dúvidas sobre sua credibilidade – depois de retirar seu apoio ao comunicado da cúpula do G7 algumas horas depois de aprovar o texto –, assessores de Kim anteciparam que o norte-coreano pretende deixar Cingapura cinco horas depois do início do encontro com Trump, previsto para começar às 9h da manhã (22h de 11 de junho em Brasília).

Antes da cúpula, que será realizada no luxuoso hotel Capella, na pequena ilha de Sentosa (que significa "paz", em português), ao sul da cidade-Estado, Kim faz uma primeira reunião bilateral neste domingo com o primeiro-ministro singapurense, Lee Hsien Loong. Amanhã, será a vez de Trump conversar com Loong.

O forte esquema de segurança já pode ser visto nas ruas. Vários bairros foram interditados para a circulação. O líder de Pyongyang faz sua primeira viagem no exterior fora da Coreia do Sul e da China desde a sua chegada ao poder, em dezembro de 2011.

O presidente americano, que ficará hospedado no hotel Shangri-La, é acompanhado por seu secretário de Estado, Mike Pompeo, que já esteve duas vezes com Kim, além de John Bolton, secretário para a Segurança Nacional, e o secretário-geral da Casa Branca, John Kelly.

Sábado (9), ainda no Canadá, Trump disse que um possível acordo aconteceria "durante a cúpula", enfatizando a atmosfera de incerteza que paira em torno dos resultados dessa reunião histórica. Nunca um presidente dos Estados Unidos em exercício manteve um encontro com um líder norte-coreano.

"Eu tenho um objetivo claro, mas, devo admitir, isso só poderá acontecer na cúpula", disse Trump. "Estamos em território desconhecido no sentido mais verdadeiro. [...] Então, vamos lá com um espírito verdadeiramente positivo", acrescentou o republicano. Assessores explicaram esta semana que Trump pretende reagir com base em seu instinto, sem levar em consideração as recomendações preparadas por seus colaboradores.

No sábado, as autoridades de Cingapura expulsaram dois homens que invadiram ilegalmente na quinta-feira (7) a casa do embaixador norte-coreano. Os indivíduos, de 42 e 45 anos, trabalhavam para o canal de TV Korean Broadcasting System. Três mil jornalistas acompanham a reunião.

Com agências internacionais

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.