Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Governo sírio retoma Guta Oriental após semanas de bombardeios

media Um soldado do Exército Sírio faz sinal de vitória junto a uma bandeira russa próximo da entrada do campo de Wafideen, em Damasco, na Síria, em 12 de abril de 2018. REUTERS/Omar Sanadiki

A Rússia, aliada ao regime de Bashar al-Assad, anunciou nesta quinta-feira (12) a reconquista total de Guta Oriental, uma zona rebelde perto da capital Damasco. O anúncio vem depois de semanas de bombardeios aéreos que destruíram a área. 

O exército russo afirma que a bandeira síria foi hasteada esta manhã nos edifícios de Duma, a principal cidade de Guta Oriental. A polícia militar russa também está no local, marcando o fim oficial do controle rebelde da cidade. De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), os principais comandantes do Jaich al-Islam já deixaram a cidade, incluindo o líder do grupo salafista Issam Bouwaydan, que está em uma área rebelde no norte do país.

A queda de Guta Oriental marca uma nova etapa na reconquista do território sírio pelo regime do presidente Bashar al-Assad, apoiado por seus aliados russos e iranianos. A ofensiva na região, que começou em fevereiro, foi marcada por intensos bombardeios que deixaram mais de 1.700 mortos. Além disso, no último sábado, um suposto ataque químico, atribuído a Damasco, deixou americanos, franceses e britânicos mais perto de uma possível resposta militar.

Na quinta-feira (12), a Rússia pediu que o ocidente pensasse seriamente nas consequencias de suas ameaças, afirmando que Moscou era contra uma escalada de violência. 

Segundo o Jaich al-Islam, foi por causa do ataque químico que o grupo concordou em evacuar a região. "Foi o ataque químico que nos levou a aceitar", disse Yasser Delwane, chefe do departamento político do Jaïch al-Islam.

Evacuações lentas

Enquanto isso, as evacuações continuam, mas o processo é lento. Os combatentes entregam suas armas e partem com suas famílias; alguns civis, que se recusam a permanecer em uma área tomada pelas forças pró-regime, também se juntam aos comboios. 

No passado, as Nações Unidas denunciaram essas evacuações como deslocamentos forçados de pessoas. No entanto, para o campo pró-regime, a recuperação total de Guta Oriental é uma vitória importante, conseguida após uma violenta ofensiva e muita destruição
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.