Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Eleição no Egito deve confirmar favoritismo de Al-Sissi

media Local de votação no Cairo: o Egito inicia hoje os três dias de eleições presidenciais RFI / Nicolas Falez

Os egípcios começaram a votar nesta segunda-feira (26) no primeiro dos três dias das eleições presidenciais. O atual chefe de Estado, Abdel Fatah Al-Sissi, é o favorito para obter um segundo mandato de quatro anos.

Os quase 60 milhões de eleitores do país de maior população do mundo árabe começaram a votar às 9H00 (4H00 de Brasília) e têrm até quarta-feira para escolher entre Al-Sissi e seu único adversário, Musa Mostafa Musa, um político desconhecido e ligado ao presidente.

Em um país que enfrenta atentados jihadistas desde 2013 e onde o grupo Estado Islâmico (EI) prometeu atacar locais vinculados às eleições, a votação é acompanhada por um grande esquema de segurança. O exército mobilizou tanques em vários pontos do Cairo. No sábado, dois policiais foram mortos em um atentado em Alexandria, a segunda maior cidade do país.Os resultados oficiais devem ser anunciados apenas em 2 de abril.

Os egípcios devem escolher entre Al-Sissi, de 63 anos e grande favorito, e Mostafa Musa, 65 anos, o único rival, mas simpatizante declarado do presidente. Depois que outros potenciais candidatos foram vetados, detidos ou convencidos a não concorrer, Mostafa Musa entrou na disputa para evitar que Al-Sissi acabasse como candidato único, mas ele nega ser uma "marionete" do presidente.

Líder do minúsculo partido liberal Al-Ghad, Musa tem poucas possibilidades de receber um número significativo de votos. Em 2014, Abdel Fatah Al-Sissi também enfrentou apenas um adversário Hamdeen Sabbahi, um conhecido político de esquerda. O presidente recebeu 96,9% dos votos.

“Não tenho culpa de não ter rivais competitivos”

Em uma entrevista na semana passada, o presidente afirmou que o fato de não ter rivais competitivos nas eleições não era culpa dele. Neste contexto, o dado mais importante das eleições deste ano será a taxa de participação, algo que pode legitimar uma reeleição.

Na votação de 2014, o índice de participação chegou a 37% após dois dias de eleições. As autoridades decidiram prolongar o pleito por mais um dia e a taxa chegou a 47,5%.

Durante a campanha, Al-Sissi apareceu em vários eventos, que receberam grande cobertura da imprensa.

As cidades, especialmente o Cairo, foram iluminadas por fogos de artifício de Al-Sissi, em um verdadeiro culto à personalidade. Mostafa Musa apareceu em poucos cartazes. Vários apoiadores do presidente o consideram o principal responsável pelo retorno da calma ao país, após a revolução de 2011 que expulsou do poder o presidente Hosni Mubarak.

Em 2016, o governo iniciou um ambicioso mas doloroso programa de reformas, com a desvalorização da moeda e a redução dos subsídios estatais, o que provocou a disparada dos preços.

Em termos de segurança, o país foi abalado por vários atentados jihadistas desde 2013, depois que o exército - que época era comandado por Al-Sissi - derrubou o islamita Mohamed Mursi, primeiro presidente egípcio eleito democraticamente, mas que rapidamente se tornou impopular.

Quinto presidente egípcio procedente do exército desde o fim da monarquia em 1952, Al-Sissi comanda o país com grande rigidez e liderou uma repressão implacável da oposição islamita, liberal e laica.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.