Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Jogos de Inverno da Coreia do Sul se encerram com saldo positivo pela paz

media Cerimônia de encerramento dos Jogos de Inverno da Coreia do Sul, em 25 de fevereiro de 2018. REUTERS/Pawel Kopczynski

Depois de 16 dias de competição e meses de gestão diplomática, os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang terminaram neste domingo (25) com uma cerimônia que resumiu os "Jogos da Paz": a presença de uma delegação norte-coreana de alto nível, mas sem a bandeira russa.  

No campo esportivo, a grande vencedora foi a Noruega, que liderou o quadro de medalhas, com 39, sendo 14 de ouro.

O general norte-coreano Kim Yong Chol e a filha do presidente norte-americano Donald Trump, Ivanka, assistiram a cerimônia de encerramento em Pyeongchang.

De acordo com imagens da área VIP do Estádio Olímpico, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, apertou a mão de Ivanka Trump e logo depois do general Kim Yong Chol, sentando uma fila atrás da filha do presidente dos Estados Unidos.

Mais cedo, a delegação norte-coreana, liderada por um polêmico general considerado um "criminoso de guerra" pela oposição sul-coreana, foi recebida pelo vice-ministro da Unificação de Seul, Chun Hae-sung, no posto fronteiriço de Dorasan.

A visita de Kim Yong Chol provocou a ira da oposição conservadora sul-coreana, porque ele é suspeito de ter ordenado os disparos de torpedo contra o navio sul-coreano Cheonan em 2010, matando 46 pessoas. Pyongyang sempre negou qualquer responsabilidade.

Centenas de pessoas protestaram perto da fronteira durante a noite e exigiram que Kim Yong Chol "pedisse desculpas de joelho às famílias das vítimas".

Mas os Jogos de Pyeongchang-2018, que começaram em 9 de fevereiro, foram o cenário de uma aproximação espetacular entre Coreia do Norte e Coreia do Sul, que oficialmente estão em guerra desde 1953.

O presidente do COI, Thomas Bach, agradeceu em seu discurso os gestos das duas Coreias, que desfilaram juntas nas cerimônias de abertura e encerramento e formaram uma equipe conjunta feminina de hóquei no gelo. "Desfilando juntos, compartilharam a fé em um futuro pacífico", disse o alemão. "Mostraram como o esporte, em nosso mundo frágil, reúne os povos. Mostraram como o esporte constrói pontes", completou Bach.

Com mais de 2.900 atletas, 102 títulos olímpicos foram disputados em 16 dias de competição. O país terminou como líder no quadro de medalhas, com 14 medalhas de ouro e 39 no total.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.