Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 09/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 09/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 09/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 09/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 07/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 07/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Ministro das Relações Exteriores francês acusa governo sírio de usar cloro contra civis

media Civis fogem para um abrigo após bombardeamento na cidade de Douma, na Síria REUTERS/ Bassam Khabieh

O ministro francês das Relações Exteriores Jean-Yves le Drian declarou nesta quarta-feira (7) que existem fortes indícios do uso de cloro como arma química neste momento na Síria, chamando atenção para a gravidade da situação.

“Tudo indica que o cloro é usado hoje pelo regime sírio de Bashar al-Assad”, disse à televisão francesa Jean-Yves le Drian. “Eu falo com precaução porque enquanto tudo não for documentado, precisamos ser prudentes”.

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) anunciou nesta quarta-feira (7) que vai investigar todas as alegações recentes sobre o uso de armas químicas contra a população pelo regime de Damasco.

Interrogado sobre a maneira como Paris iria reagir às alegações, ele lembrou que cerca de trinta países acabaram de adotar, seguindo o exemplo da França, medidas para denunciar e sancionar responsáveis de ataques químicos na Síria.

O ministro não fez nenhuma alusão a represálias, por parte da França, caso os ataques com cloro se confirmassem. O presidente francês Emmanuel Macron evocou essa questão quando chegou ao poder em maio de 2017, prometendo “uma resposta imediata” em caso de uso de armas químicas.

Jean-Yves le Drian terminou seu discurso lembrando da iniciativa dos países membros do Conselho de Segurança da ONU de encontrar um meio de contornar o veto russo, que protege o governo sírio de toda e qualquer condenação.

Cloro, produto de fácil acesso

Para Olivier Lepick, pesquisador da Fundação pela Pesquisa Estratégica, o uso do cloro muda toda a dinâmica diplomática no quesito das armas químicas, por ser um produto que pode ser adquirido facilmente e cuja possessão não constitui crime, apenas seu uso enquanto arma. “O cloro é uma substância tóxica que pode se transformar em arma, mas é antes de mais nada um produto de limpeza que faz parte da vida cotidiana de diversos países”, afirma.

“É um produto que não pode ser negado ao governo sírio e cuja aquisição é muito fácil. Ele não é proibido e o governo sírio poderá usá-lo o quanto quiser se continuar seus ataques químicos”. O cloro, apesar de ser menos nocivo que o gás sarin, pode causar entupimento das vias respiratórias. “O sarin é cinco a dez vezes mais tóxico que o cloro”, declara.

Com relação às afirmações de represália do governo americano e do presidente francês Emmanuel Macron, Lepick se diz “perplexo com a ousadia”. “Sempre me choco com as posições dos líderes políticos com relação às armas químicas, porque a mensagem ao regime sírio é basicamente a seguinte: ‘Enquanto vocês massacram suas populações com armas convencionais, está tudo bem, não faremos nada, mas, de repente, porque há um pouco de cloro, isso se torna imediatamente inaceitável’”, pondera o pesquisador.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.