Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Crise política nas Maldivas deixa arquipélago em suspense

media Policiais patrulham a sede da oposição em Malé, capital das Maldivas, em 6 de fevereiro de 2018. REUTERS/Stringer NO RESALES. NO ARCHIVES

O arquipélago das Maldivas, no Oceano Índico, afunda em uma séria crise política. Depois que o estado de emergência entrou em vigor na segunda-feira (5), o presidente do país, Abdulla Yameen, ordenou a prisão de um ex-chefe de Estado e do presidente do Supremo Tribunal, que voltou atrás, nesta terça-feira (6), sobre sua decisão de libertar nove presos políticos, opositores de Yameen.

Foi na madrugada da terça-feira (6) que o presidente da Suprema Corte das Maldivas foi preso por policiais fortemente armados, oficialmente acusado de corrupção. Há poucos dias, a maior autoridade judicial nas Maldivas decidiu ordenar a libertação de nove presos políticos, considerando que estes haviam sido injustamente detidos. A decisão irritou profundamente o presidente do país, Abdulla Yameen.

Yameen declarou estado de emergência, dizendo que esta era a única maneira de investigar juízes suspeitos de conspiração.

O Supremo Tribunal, reduzido para três membros, anunciou nesta terça-feira (6) que voltou atrás em sua decisão de libertar os prisioneiros políticos, uma decisão tomada visivelmente sob pressão. Em uma declaração oficial, os magistrados afirmam ter revertido sua decisão "à luz das preocupações levantadas pelo presidente".

Abdullah Yameen, que governou o país com um punho de ferro nos últimos cinco anos, colocou quase todos os oponentes na prisão ou os expulsou para o exílio. Na segunda-feira (5), ele não hesitou em prender seu meio-irmão, um ex-presidente ligado à oposição.

A situação mergulha o país no caos e na incerteza. "Ele mobiliza o exército e a polícia para tentar preservar o que sobrou de sua autoridade, o que provoca caos na capital", analisou Olivier Guillard, pesquisador francês associado ao Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (Iris).

 
O tempo de conexão expirou.