Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 14/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Irã descarta qualquer mudança no acordo nuclear após ultimato de Trump

media O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif. REUTERSAlexander Zemlianichenko/Pool

Irã descartou neste sábado (13) qualquer modificação no acordo nuclear iraniano. A reação de Teerã acontece após o ultimato dado pelo presidente americano. Na sexta-feira (12), Donald Trump resolveu prorrogar a suspensão das sanções econômicas contra o Irã previstas no texto, mas advertiu que seria pela "última vez" se não houver um endurecimento das condições do pacto.

"A República Islâmica do Irão não tomará nenhuma medida além de seus compromissos firmados no acordo nuclear; Não aceitará nenhuma modificação deste acordo, nem hoje, nem no futuro, e não permitirá vincular o acordo nuclear a outras questões", indicou em um comunicado o ministério das Relações Exteriores. O texto insiste que Teerã rejeita renegociar este tratado.

O chefe da diplomacia iraniana, Mohamad Javad Zarif, acusou na véspera o presidente Trump de tentar desesperadamente “sabotar” o acordo nuclear concluído em julho de 2015 entre o Irã e o grupo dos 5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia, mais a Alemanha).

Teerã acusa Washington de violar de maneira explícita três seções do pacto, incluindo o parágrafo 26 que pede que os Estados Unidos ajam "de boa fé” para apoiar o acordo e permita que o Irã possa se beneficiar da suspensão das sanções.

Novas sanções

O comunicado do ministério das Relações Exteriores denuncia ainda a política hostil do poder americano e critica novas sanções dirigidas contra cidadãos iranianos e estrangeiros.

Apesar de Trump ter prorrogado ontem a suspensão das sanções econômicas contra o Irã previstas do acordo nuclear, Washington decidiu impor novas sanções contra 14 grupos ou personalidades iranianas. Entre eles, o aiatolá Sadegh Amoli Larijani, chefe da autoridade judicial da República.

Teerã ameaçou hoje que responderá com firmeza a essa à decisão "que viola o direito internacional”.

Ultimato de Trump

Na sexta-feira, Trump deu 120 dias aos países europeus para endurecer as condições previstas no acordo nuclear iraniano, caso contrário os Estados Unidos vão se retirar pura e simplesmente do pacto. Esse é o prazo previsto para renovar novamente a suspensão das sanções contra o país.

Segundo a Casa Branca, o presidente americano quer negociar um novo tratado para substituir o atual. Teerã não participaria dessas discussões, como aconteceu em 2015, mas seria alvo de sanções americanas e europeias, se não cumprisse os termos do novo arranjo. Além da indústria nuclear, o programa de mísseis iraniano também seria visado.

Trump insiste em que o governo de seu antecessor, Barack Obama, fez concessões excessivas ao Irã, sem que o país suspendesse seu programa de mísseis e o apoio a grupos armados na região.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.