Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/04 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Nasce o terceiro filho do príncipe William, da Inglaterra, e de sua esposa, Kate

Em 2018, EUA devem adotar política do "cada um por si"

Em 2018, EUA devem adotar política do
 
Combates contra os jihadistas do grupo EI em Raca Omar KAMAL AFP

Crônica de passagem de ano é sempre um sacrifício a Janus, o antigo deus romano bifronte, com uma face voltada para o passado, a outra para o futuro. Hora de balanços e oráculos. E fazer predições é difícil, sobretudo quanto ao futuro... O consolo é saber que no fim de 2018 ninguém estará interessado nos seus erros ou acertos.

Em 2017, na chamada “grande política” internacional, boa parte dos velhos equilíbrios geoestratégicos do século 20 se desmancharam. Existia uma certa previsibilidade nos cálculos do jogo de xadrez entre os grandes polos de poder mundial. Mas esse jogo está sendo atropelado pela nova revolução social e econômica que globalizou territórios, populações, economias, e culturas.

As novas tecnologias da informação e da produção estão metamorfoseando os modos de produzir, consumir, comunicar e pensar. Uma mudança profunda e drástica, tanto quanto a revolução industrial do começo do século 20. Não podia deixar de impactar a política.

Nos Estados Unidos, Donald Trump revelou a ruptura entre os polos econômicos e sociais prósperos e inovadores, a os territórios mais pobres, parados, sem futuro. Populações urbanas diversificadas e cosmopolitas das costas Leste e Oeste, contra cidadãos rurais ou periurbanos que se sentem engolidos pela novidade e a globalização. Pequenos brancos do interior, que sonham em voltar para os anos 1950 e 1960. E não importa que essa idade de ouro seja uma ilusão.

"America First"

O slogan “America First”, bateu em cheio. Os perigos vêm de fora: as provocações da Rússia autocrática e falida de Vladimir Putin e um novo conflito geopolítico no Oriente Médio depois da derrota do grupo “Estado Islâmico” com essa ânsia saudosista.

Durante o ano, o magnata-presidente, multiplicou as bravatas, mas o único resultado tangível foi o voto de uma reforma tributária radical, que no final das contas vai penalizar ainda mais essa população branca marginalizada. Trump está aprendendo que não dá para ressuscitar o modelo econômico do século passado. Porém uma coisa mudou: os Estados Unidos não estão mais dispostos a garantir os equilíbrios geopolíticos internacionais e as instituições multilaterais.

Agora é cada um por si, e a Casa Branca quer utilizar a imensa potência americana para impor relações bilaterais ao resto do mundo. O dito “sistema internacional” perdeu o seu avalista em última instância e a América só intervirá em causa própria. Senão houver ameaça direta aos Estados Unidos, os outros que se virem.

A rebelião das regiões esquecidas pela nova realidade socioeconômica global, também desestabilizou a Europa. O Brexit britânico, assim como movimentos nacionalistas e saudosistas estão ameaçando meio século de construção da paz e do mercado único europeu.

Mas a eleição de Emmanuel Macron na França, abertamente favorável à integração europeia, foi vista como uma tábua de salvação para todos aqueles que querem reconstruir a União Europeia e adaptar suas sociedades ao novo modelo econômico global do século XXI. Apesar dos riscos de fragmentação, 2018 tem chances de ser o ano do renascimento econômico e político europeu.

Quanto ao polo geopolítico da Ásia-Pacífico, o futuro está nas mãos do Partido comunista chinês. A China decolou graças à globalização industrial do final do século XX. Mas sobreviver no meio da nova revolução da comunicação e da inovação permanente são outros quinhentos.

Para manter o poder do partido e a paz social interna, o PCC vai ter que encontrar outra receita para continuar crescendo. Mas isso passa por pesadas reformas liberalizantes que também ameaçam a posição dos dirigentes. Entre a cruz e a caldeirinha, Xi Jinping optou pela repressão interna e bravatas nacionalistas na política externa.

A rebordosa é que vizinhos preocupados, como Japão, Índia, Austrália ou Vietnam já pensam em alianças contrárias, e que aumentam as tensões regionais, na península coreana e no mar da China meridional. Uma grande crise militar regional é uma perspectiva pouco alvissareira para o resto do planeta. 2018 será que nem montanha russa: quem pode pode, quem não pode se sacode! Feliz Ano para todos os ouvintes!

*Alfredo Valladão, da Universidade Sciences Po, publica uma crônica de geopolítica às segundas-feiras na RFI


Sobre o mesmo assunto

  • O Mundo Agora

    Crise espanhola revela sintoma dos novos tempos da globalização

    Saiba mais

  • O Mundo Agora

    Brexit: partido de May está cada vez mais dividido

    Saiba mais

  • O Mundo Agora

    Ao mexer com Jerusalém, Trump brincou com fogo num paiol de de fervores espirituais

    Saiba mais

  • O Mundo Agora

    Processo de pacificação da Síria continua uma grande incógnita

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.