Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Japão apresenta menor taxa de natalidade desde 1899

media Crianças em frente ao zoológico Ueno, em Tóquio Issei Kato/REUTERS

A taxa de natalidade no Japão baixou pelo sexto ano consecutivo em 2017 e a nação conta hoje com menos de um milhão de recém-nascidos. Fato inédito desde 1899, que marca o início dessas estatísticas no país.

Com informações de Frédéric Charles, correspondente da RFI em Tóquio

O Japão tem a segunda taxa de natalidade mais baixa no mundo, ficando atrás apenas da Coreia do Sul: 1,4 filho por mulher. Em 2017, o país chegou a 944 mil nascimentos, ficando abaixo do teto de um milhão.

De acordo com um pesquisador da universidade de Tohoku, o Japão tem menos uma criança a cada 100 segundos e, se esse ritmo continuar, o país não terá nenhuma em 3011. Desde 2008 o número de mortes é superior ao de nascimentos. Somente nesse ano, o Japão perdeu o equivalente a uma cidade média, ou seja, cerca de 400 mil habitantes.

País de robôs

Para lutar contra essa queda no número de nascimentos, o governo anunciou a criação de um serviço de creche exclusivo para famílias de baixa renda. A cidade de Tóquio também deve assegurar a gratuidade da educação dessas mesmas crianças até a universidade.

Apesar das estatísticas impressionantes, o primeiro-ministro Shinzo Abe se mantém otimista: a queda da taxa de natalidade e a diminuição da população não são um mal, em sua opinião. Ele diz confiar na robótica e na inteligência artificial para reforçar a produtividade do país. Conservador, Shinzo Abe nem menciona a possibilidade de abrir as fronteiras aos estrangeiros para solucionar o problema.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.