Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • França sugere que migrantes do navio Aquarius desembarquem em Malta
Mundo

Papa fala com presidente do Equador sobre Amazônia e corrupção

media Papa Francis fala com o presidente do Equador Lenin Moreno e sua esposa Rocio Gonzalez Navas durante uma audiência privada no Vaticano em 16 de dezembro de 2017 REUTERS/Andreas Solaro

O papa Francisco recebeu neste sábado (16) pela primeira vez no Vaticano o presidente do Equador, Lenín Moreno, em uma audiência em que falaram sobre a defesa da Amazônia e a corrupção.

"Foram abordados alguns temas de interesse comum como o respeito pelos povos indígenas e sua cultura, assim como a proteção do meio ambiente", indicou a Santa Sé em um comunicado.

O meio ambiente é um tema muito sensível para o Papa, que convocou para outubro de 2019 um sínodo (reunião de bispos) especial dedicado à Amazônia.

Ao término do encontro, o chamado "papa ecológico" presentou Moreno com sua encíclica "Laudato Si", de 2015, um documento-chave de seu pontificado.

"Isto é sobre o cuidado do ambiente. Sobre o que falamos sobre o Amazônia", afirmou sua santidade aos jornalistas presentes.

A primeira viagem de Moreno à Europa coincide com o anúncio da justiça equatoriana sobre a condenação em primeira instância a seis anos de prisão do vice-presidente Jorge Glas, por ter recebido 13,5 milhões de dólares em propinas da empreiteira brasileira Odebrecht.

O escândalo envolvendo a Odebrecht sacudiu os círculos do poder e a política de quase todos os países da região e não se descarta que em função disso ainda possam ser cortadas muitas cabeças.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.