Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Premiê do Iraque anuncia "fim da guerra" contra o grupo Estado Islâmico

media Forças iraquianas, apoiadas por paramilitares, avançam no deserto para eliminar últimos redutos do grupo EI na província de Al-Anbar. afp.com/AHMAD AL-RUBAYE

O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, anunciou neste sábado (9) o "fim da guerra" que as forças do governo travam há três anos contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Em um discurso durante uma conferência organizada pelo sindicato iraquiano dos jornalistas, em Bagdá, o premiê iraquiano disse que as forças do governo "controlam completamente a fronteira entre o Iraque e a Síria". "Nosso inimigo (...) queria matar nossa civilização, mas vencemos graças à nossa unidade e determinação. Nós os derrotamos em pouco tempo", completou.

O anúncio do governo iraquiano acontece três dias depois que a Rússia, principal aliada do regime sírio, indicou a derrota da organização ultrarradical sunita em todo o território sírio.

Em 2014, o grupo Daesh, acrônimo em árabe do Estado Islâmico, assumiu o controle de um terço do Iraque em uma ofensiva relâmpago, o que colocou em perigo a existência do país. Com a ajuda da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, as forças iraquianas iniciaram uma contraofensiva para reconquistar o terreno perdido.

A campanha pela reconquista de Mossul, autoproclamada capital do EI no Iraque, durou nove meses. Os jihadistas perderam esse reduto estratégico em julho. Dois meses mais tarde, em setembro, foi a vez de Raqqa, a capital síria da organização terrorista, ser liberada, após uma bem-sucedida ofensiva da coalizão árabe-curda apoiada pelos Estados Unidos.

No mês passado, após a retomada de Raoua, na fronteira com a Síria, última cidade controlada pelos jihadistas, o primeiro-ministro do Iraque declarou que os jihadistas estavam "militarmente" derrotados. Na ocasião, ele salientou que ainda eram necessárias "operações de limpeza" em zonas desérticas da fronteira. A primeira operação desse gênero foi iniciada no dia 23 de novembro.

Ontem, em uma segunda fase, as forças de Bagdá, apoiadas por milícias paramilitares, lançaram seus tanques à caça de jihadistas que buscaram refúgio entre as províncias de Nínive e Al-Anbar. Essa "limpeza" é considerada a etapa final de luta contra os combatentes do Daesh.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.