Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Brasileira ensina dinamarqueses a buscar equilíbrio do corpo e viver com saúde

Brasileira ensina dinamarqueses a buscar equilíbrio do corpo e viver com saúde
 
Baiana Valéria Lima mora há 18 anos na Dinamarca. Margareth Marmori

Os conselhos da baiana Valéria Lima sobre como se alimentar bem para viver com saúde estão em todas as grandes livrarias da Dinamarca. A brasileira é uma das autoras do livro intitulado “Supersunde Superfoods”, que em português significa “Superalimentos super saudáveis”. Valéria, formada em Educação Física pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, e especialista em saúde holística, mora há 18 anos na Dinamarca, onde vive com o marido e o filho.

Margareth Marmori, correspondente da RFI Brasil em Copenhague 

O livro foi publicado por uma das maiores editoras do país. Valéria dá informações sobre a importância dos chamados superalimentos na busca por um corpo equilibrado e saudável. A outra coautora, a chefe de cozinha dinamarquesa Mette Helbæk, é a responsável pelas receitas da obra, que são todas baseadas nos alimentos recomendados por Valéria.

A brasileira fala com entusiasmo sobre a publicação, através da qual ela tenta desfazer o mito de que só plantas devem ser consideradas superalimentos.

“O que eu tento colocar nesse livro é que, na verdade os ‘super foods’ são alimentos que contêm propriedades especiais que não necessariamente vêm das plantas. As plantas têm um papel muito importante por causa dos fitoquímicos, das propriedades fíticas das plantas, mas as vitaminas mais importantes, que são as vitaminas que nós não podemos realmente produzir no nosso corpo e das quais precisamos, se encontram normalmente na fonte animal. São os ovos, a manteiga, o fígado, o peixe, o fruto do mar.”

Valéria Lima gostaria de lançar o livro Supersunde Superfoods também no Brasil. Divulgação

Segundo Valéria, uma alimentação inadequada é frequentemente a origem dos problemas de saúde das pessoas que ela atende na sua clínica de treinamento, reabilitação e nutrição holística, na cidade de Lyngby, a 12 km de Copenhague. Valéria é a dona da clínica, onde também trabalham em regime de cooperativa mais oito fisioterapeutas, osteopatas e treinadores.

Em suas consultas particulares e nos cursos que oferece, a brasileira usa sua formação em medicina funcional para guiar os clientes na escolha de opções alimentares e atividades físicas. “Vvocê tem pessoas com problemas específicos, por exemplo, joelho, lombares, hérnia de disco. E fazemos treinamentos especializados para isso”, conta. “Existe ainda a outra parte, o estilo de vida e a nutrição. Eu organizo o tipo de dieta que a pessoa deveria seguir ou ajudá-la a seguir, quais são os mecanismos que estão influenciando essa pessoa a ter esses problemas.”

Valéria é registrada como Especialista em Saúde Holística, uma profissão com reconhecimento internacional. O objetivo é trazer o corpo em equilíbrio. A gente olha os aspectos de um todo: como você está vivendo, como você está dormindo, como está comendo, se movimentando, e qual a qualidade desse alimento, desse movimento, desse sono.”

Revolução na medicina

A baiana acredita que um momento revolucionário na medicina está em curso, no qual os microrganismos que vivem no corpo humano não são considerados inimigos e, na verdade, são uma fonte de saúde. Segundo ela, a nutrição adequada desses microrganismos pode ajudar na perda de peso e a prevenção de doenças cardiovasculares, neurodegenerativas e imunológicas. 

Quando você come, você tem que pensar em duas coisas: no alimento que você dá para você, e o alimento que você vai dar para os seus microrganismos”, afirma. “Existem dois tipos de pessoas vivendo no mesmo corpo: todas as suas células e o seu microbioma, que é a população de micróbios que existe no seu corpo. E a maior população de micróbios que existe no nosso corpo se encontra no intestino, onde se concentra 80% do seu sistema imunológico.”

Valéria explica que, para um corpo saudável, é preciso comer alimentos que “agradem” às bactérias, os chamados probióticos. Prebiótico é o alimento que você dá de comer para sua bactéria, o que ela gosta de comer. Ela gosta fibras que resistem à digestão, como o amido resistente, que encontramos na tapioca, na alcachofra, no alho, nas cebolas ou no abacate.”

Livro pode sair no Brasil

A terapeuta pretende lançar seu livro no Brasil, mas antes terá de revisá-lo para incluir receitas com superalimentos mais facilmente encontrados no país. Enquanto seus ensinamentos não podem ser lidos em português, Valéria tem uma dica para quem estiver buscando uma alimentação mais natural e saudável. “Se sua avó pode reconhecer o alimento que você está consumindo hoje, então esse é um alimento real, e não um totalmente processado”, comenta.

Obra de Valéria Lima foi escrita em dinamarquês - aprendizado da língua foi maior desafio da baiana no país europeu. Margareth Marmori

Na opinião de Valéria, produtos como a margarina e outros óleos vegetais modernos deveriam ser banidos da alimentação humana porque, em alta quantidade, são inflamatórios e um dos motivos do aumento das doenças cardiovasculares.

Para publicar o livro no Brasil, ela também terá de trabalhar na tradução para o português. A obra escrita foi originalmente em dinamarquês - cujo aprendizado foi o maior desafio que a baiana enfrentou, em seu processo de adaptação à Dinamarca.

“Quando eu vim para a Dinamarca, eu pude trabalhar em inglês, mas eu nunca realmente pude ter a intimidade que eu gostaria de ter com as pessoas se eu não falasse a língua dinamarquesa. Então foi uma prioridade muito grande para mim aprender a língua. Eu pensei que, se eu aprendesse o dinamarquês, eu poderia aprender qualquer coisa na minha vida”, brinca.


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Para conter obesidade, China vai criar vilarejos "slow food"

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Europa teme entrada de “salmonstro”, o salmão transgênico canadense

    Saiba mais

  • Saúde

    Brasil: apesar de lobby da indústria, nutricionistas lutam para promover alimentação adequada

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Supermercados da França geram polêmica com abuso no preço de orgânicos

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.