Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Alheio às críticas, Robert Mugabe diz que permanece na presidência do Zimbábue

Brasileiros em Israel criam canal de humor na internet

Brasileiros em Israel criam canal de humor na internet
 
Um grupo de jovens brasileiros em Israel criou, há quatro meses, um canal na internet pioneiro com vídeos de humor sobre a vida de seus conterrâneos no país do Oriente Médio. Divulgação

Um grupo de jovens brasileiros em Israel criou, há quatro meses, um canal na internet pioneiro com vídeos de humor sobre a vida de seus conterrâneos no país do Oriente Médio. O canal se chama "Balagandaia", mistura de duas palavras: "Balagan", bagunça, em hebraico e "Gandaia", em português.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Tel Aviv

O canal apresenta esquetes semanais que brincam com a condição dos imigrantes latino-americanos num país distante e com a cultura judaica, em geral.

O criador é o rabino carioca Rafael Hasky, de 31 anos, que mora há 11 em Jerusalém. Sem seguir o estereótipo de rabinos ortodoxos, Hasky trabalha com publicidade, gosta de cultura popular e de esportes. Ele diz se inspirar no humor judaico de comediantes como Woody Allen, Jerry Seinfeld, Jack Black, Sarah Silverman, Adam Sandler, Ben Stiller, Sasha Baron Cohen e outros para fazer um humor ácido sobre a realidade de Israel sob a ótica brasileira.

O principal objetivo é “explorar de forma rica a difereחça cultural entre o brasileiro e o israelense, o que é normal e o que não é normal. E assim a gente vai fazendo humor, mas sempre de uma forma muito mais intelectualizada”, diz. Em apenas quatro meses, o Balagandaia, disponível no You Tube e no Facebook, já acumulou mais de meio milhão de visualizações em seus 14 vídeos. Cada um tem, em média, 40 mil entradas.

A irreverência e o sarcasmo, mas sem ofensas ֹ é muito importante para Rafael Hasky. As piadas não devem envolver palavrões ou sexualidade, bem como desrespeito a religiões ou minorias. Para sua surpresa, o perfil do público, até agora, é variado. Há judeus do Brasil e brasileiros em Israel, claro. Mas também muitos não judeus que acham curioso tentar entender a vida em Israel.

Humor simples e acessível

A equipe do Balagandaia contra com três produtores e dez atores brasileiros – alguns profissionais, outros não. Eles vêm de diversos lugares de Israel. A atriz carioca Aline Goffman, de 37 anos, mora há seis anos em Tel Aviv e ficou feliz em participar do Balagandaia. Para ela, “ é uma maneira de expressar as dificuldades da imigração através de um humor sincero e simples, acessível a todos”.

Mas nem todos os participantes estão em Israel há muito tempo. É o caso da psicóloga paulista Victoria Kimmelmann, de 23 anos, que imigrou para Israel há apenas seis meses. Para ela, o humor é fundamental para encarar a mudança de país. “Uma característica muito forte do brasileiro e do judeu é a capacidade de rir de si mesmo”, declara.

Para outro ator, o manauara Avraham Elbaz Franco, de 38 anos, sendo 9 em Israel, o humor do Balagandaia é uma maneira de renovar os ares da comunidade brasileira em Israel, que vem crescendo nos últimos anos e conta, segundo dados oficiais, com 15 mil pessoas.

Para Elbaz Franco, que estuda rabinato, participar do canal de humor é uma maneira de matar as saudades do Brasil. “Nossa história está sempre recheada de humor. A gente vem do Brasil, entra desde pequeno, na sinagoga, no clube, ou nos próprios bairros judaicos, a gente sempre conta aquela piada. Quando a gente vem para Israel, a gente sente aquela saudade. Eu acho que o humor tem que ser renovado como a gente próprio se renova", conclui.

 

 


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil-Mundo

    Exposição com artistas brasileiras em Los Angeles mostra resistência feminina à ditadura

    Saiba mais

  • Brasil-Mundo

    Pesquisador brasileiro busca na Dinamarca respostas para preservar Amazônia

    Saiba mais

  • Brasil-Mundo

    Elite brasileira residente em Portugal faz surgir novos negócios

    Saiba mais

  • Brasil-Mundo

    "Tapiocaria" de brasileira vira street food da moda em Berlim

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.