Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

"Sigam lucrando", diz Trump a Paris e Berlim, sobre comércio com Irã

media O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em entrevista à Fox News, no programa Sunday Morning Futures, em 22 de outubro de 2017. Reprodução Youtube

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse, em uma entrevista divulgada neste domingo (22) na televisão local, que ele não tem objeções a respeito de que a França e a Alemanha mantenham seus acordos comerciais com o Irã, ainda que, de sua parte, ele tenha negado a certificação do acordo nuclear com Teerã.   

"Eu disse a eles, apenas continuem lucrando" disse o presidente norte-americano Donald Trump à Fox News, durante o programa Sunday Morning Futures. "Não se preocupem. Apenas continuem ganhando dinheiro", afirmou, em tom de provocação.

"Eles são meus amigos. Eles realmente são. Eu me dou bem com todos eles. Sejam eles Macron ou Angela", disse Trump, fazendo referência ao presidente francês, Emmanuel Macron, e à chanceler alemã, Angela Merkel. "Eu não sei o que vai acontecer com esse acordo", afirmou o magnata, mencionando o acordo nuclear assinado em 2015, que ele se negou a certificar no último 13 de outubro, deixando a decisão final sob responsabilidade do congresso dos Estados Unidos.

Trump cria turbulências em acordo nuclear

A decisão de Trump criou turbulências no acordo assinado em 2015 entre as grandes potências 5+1 (Estados Unidos, China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha) com o Irã, no qual Teerã havia se comprometido a garantir o caráter civil e pacífico de seu programa nuclear em troca de uma suspensão progressiva das sanções. Empresas francesas e alemãs já voltaram a investir no Irã.

"Quando eles compram essas coisas, é um pouco difícil", comentou Trump a respeito dos acordos comerciais existentes entre os países europeus e o Irã. "Eu disse a eles, apenas continuem lucrando. Não se preocupem. Não precisamos de vocês nisso". A União Europeia expressou a sua determinação em preservar o acordo com o Irã, considerado por vários líderes parte essencial no processo de tentar convencer a Coreia do Norte a participar da mesa de negociações sobre o seu próprio programa nuclear.

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou nessa sexta-feira (20) que o governo Trump não tentará afetar o comércio entre a União Europeia e o Irã. "O presidente foi muito claro sobre não ter intenções de interferir nos acordos comerciais que os europeus possam ter de alguma maneira com o Irã", disse Tillerson ao The Wall Street Journal. O secretário, de visita à península árabe, advertiu, no entanto, a respeito do comércio com os Guardiões da Revolução, a tropa de elite do exército iraniano, objeto de recentes sanções emitidas por Washington.

"Aqueles que negociam com os Guardiões da Revolução iranianos", sejam "empresas europeias ou qualquer outra ao redor do mundo, o fazem sob alto risco", alertou Tillerson.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.