Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Nobel legitima luta contra armas nucleares”, diz brasileiro da Ican

“Nobel legitima luta contra armas nucleares”, diz brasileiro da Ican
 
Cristian Wittmann, brasileiro do Comitê Gestor da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (Ican). Foto: Arquivo Pessoal

“O Nobel da Paz é um reconhecimento para as vítimas e confere legitimidade para o nosso trabalho”, diz o brasileiro Cristian Wittmann, que integra o Comitê Gestor da Campanha Internacional para a Abolição das Armas (Ican), vencedora do prêmio este ano.

A Ican, coalização de 450 organizações em 101 países, impulsionou o histórico Tratado Global para Proibir as Armas Nucleares, que condena o desenvolvimento, testes, produção, fabricação, aquisição, posse ou armazenamento de armas nucleares. O prêmio para o grupo foi anunciado no dia 6 de outubro, pelo Comitê Norueguês do Nobel.

“A luta contra as armas nucleares não é nova, ela remete à época de Hiroshima e Nagasaki e a todos os testes que foram provocados. A Ican recebe o prêmio como um reconhecimento pelo diferencial de seu trabalho de divulgar e sensibilizar sobre o impacto catastrófico que uma detonação nuclear, acidental ou não, pode causar efeitos globais”, explica Wittmann, professor da Unipampa (Universidade Federal do Pampa – RS).

Objetivo: erradicação

A recompensa, segundo Wittmann, de 34 anos, traz uma maior sensibilização da comunidade internacional sobre a necessidade de avanço pela proibição dar armas nucleares.

"O Prêmio nos traz maior legitimidade para continuar falando sobre esse tema e também uma maior responsabilidade. Mais pessoas ao redor do mundo, de certa foram, confiam no nosso esforço de seguir adiante nesse tema", acrescenta.

Para o especialista, o trabalho da Ican teve um "novo começo" no dia 20 de setembro, data em que a Campanha considerou ter concluído seu grande objetivo de curto prazo que era a adoção do Tratado de proibição das armas nucleares. 

“O Brasil foi o primeiro país a assinar o documento. Agora o nosso objetivo é que 50 países o ratifiquem o mais rápido possível, para que entre em vigor e que seja um tratado juridicamente vinculante”, explica Wittmann. “O passo seguinte é a universalização, com mais países participantes e então, a médio e longo prazo, chegar à completa erradicação das armas nucleares”, acrescenta.

Preparação para receber o Nobel

Na entrevista à RFI Brasil, feita logo após uma reunião do Comitê Gestor da Ican, Wittman comentou que as discussões sobre o recebimento do Prêmio Nobel em Oslo, no dia 10 de dezembro, já começaram.

As preocupações giram em torno da logística, para preparar o deslocamento e acomodação da grande quantidade de integrantes da Ican e de simpatizantes da entidade, e das oportunidades que serão dadas para divulgar o trabalho da instituição, além da decisão de quem irá efetivamente receber o Prêmio. "Existem várias opções, mas ainda não foi tomada nenhuma decisão final. Será preciso primeiro ter um contato com a Fundação Nobel para saber os detalhes", explicou.

"Mas, claro, estamos entusiasmados e agora teremos reuniões todas as semanas para organizar nossa presença na Noruega", concluiu.   


Sobre o mesmo assunto

  • Campanha antinuclear ICAN vence o Prêmio Nobel da Paz

    Saiba mais

  • Líder da Coreia do Norte diz que arsenal nuclear protege país dos EUA

    Saiba mais

  • Irã/Nuclear

    Grandes potências discutem programa nuclear iraniano em Paris

    Saiba mais

  • armas nucleares/ONU

    Mais de cem países da ONU discutem tratado para proibir armas nucleares

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.