Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 26/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 26/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Independentistas vencem referendo no Curdistão Iraquiano com 92% dos votos

media Comissão eleitoral anuncia em Erbil os resultados do referendo de independência do Curdistão Iraquiano. REUTERS/Alaa Al-Marjani

Segundo a comissão eleitoral curda, 92,73% dos participantes do referendo votaram a favor da independência do Curdistão Iraquiano. A consulta, realizada na segunda-feira (25), havia sido lançada por Massoud Barzani, presidente da região autônoma.

Oriane Verdier, correspondente da RFI em Erbil

Antes mesmo da divulgação dos resultados oficiais, Barzani já festejava a vitória. Porém, a veracidade dos números ainda pode ser contestada, já que o referendo não contou com o apoio da comunidade internacional, o que fez com que o voto fosse realizado sem a presença de nenhum observador externo.

Mesmo assim, Barzani conta usar esse resultado para reforçar sua imagem de “pai do povo curdo”. Além disso, esse pleito visa legitimar a posição de Erbil, capital do Curdistão, em suas negociações com Bagdá.

As autoridades iraquianas são contrárias ao debate sobre a independência. Prova disso, o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi exigiu nesta quarta-feira a anulação do resultado do voto. "O referendo deve ser anulado e deve começar um diálogo no âmbito da Constituição. Não falaremos jamais do resultado do referendo", declarou aos deputados do Parlamento iraquiano.

Bagdá também havia ameaçado, durante o dia, fechar os aeroportos do Curdistão. Já o Parlamento iraquiano cogitou a tomada, à força, da cidade petrolífera de Kirkuk.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.