Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Hamas dissolve polêmico órgão e propõe diálogo com Fatah

media O chefe do Hamas, Ismael Haniyeh, em foto de arquivo. REUTERS/Mohammed Salem

O grupo islamita palestino Hamas, que controla a Faixa de Gaza, anunciou neste domingo (17) a dissolução de um polêmico comitê administrativo, extremamente contestado pelo partido Fatah, do presidente palestino Mahmoud Abbas, e considerado um obstáculo à unidade palestina. A decisão abriu o caminho para uma reconciliação entre as duas organizações, cujas relações foram interrompidas em 2007. 

"Em resposta aos esforços egípcios, o Hamas anunciou a dissolução do 'comitê administrativo' na Faixa de Gaza e concordou em travar conversas sobre a reconciliação [com o Fatah]", indicou um comunicado divulgado neste domingo.

Criado em março, o comitê - formado por sete autoridades do Hamas - tinha o objetivo de administrar questões dos territórios palestinos. Mas o órgão era visto por Abbas como um governo paralelo que dificultava a reconciliação palestina. 

Desde a criação do comitê, o líder palestino vinha marcando uma clara oposição ao Hamas. Dentro deste espírito de demonstração de força, Abbas chegou a bloquear, nos últimos meses, os pagamentos da energia elétrica fornecida por Israel à Gaza.

O anúncio do Hamas de dissolver o comitê acontece poucos dias depois de uma visita de seu líder e ex-primeiro-ministro de Gaza, Ismail Haniyeh, ao Cairo. Há cerca de três meses o governo egípcio reforçou sua intenção de aproximar o Hamas do Fatah. O objetivo do Egito é tentar diminuir o avanço no norte do Sinai do grupo Estado Islâmico, cujo Hamas é acusado de apoiar.

Acordo entre Hamas e Fatah

Na teoria, os engajamentos do Hamas "pelo futuro dos palestinos" são fortes, mas, na prática, ainda não está claro como o grupo pretende aliviar a tensão com o Fatah. 

Em troca da dissolução do comitê, o Hamas exige que a Autoridade Palestina se comprometa a gerenciar a crise humanitária e econômica que se agrava na Faixa de Gaza. A região, que abriga cerca de dois milhões de pessoas, é vítima de uma crise que se arrasta há dez anos, dificultada por três conflitos com Israel. Foi o próprio Hamas que expulsou a Autoridade Palestina da Faixa de Gaza em 2007.

Por isso, o avanço das relações entre os dois grupos não é consenso entre os especialistas. Para muitos deles, é pouco provável que o Hamas renuncie ao controle militar em Gaza e que a Autoridade Palestina aceite trabalhar sobre o controle do Hamas. 

Em resposta à proposta do Hamas, um dirigente do Fatah, Azzam al-Ahmad, evocou a necessidade de uma reunião entre as duas partes. Segundo ele, para discutir uma ampla reconciliação entre as duas partes, outras facções palestinas também devem ser convocadas. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.