Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coreia do Norte ignora sanções da ONU e lança mais um míssil

media Kim Jong-Un: promessa de destruir os Estados Unidos. REUTERS/Issei Kato

A Coreia do Norte respondeu nesta sexta-feira (15) às últimas sanções aprovadas pela ONU com o lançamento de um míssil balístico que sobrevoou o Japão, aumentando ainda mais a tensão na península coreana.

O míssil foi disparado de um local próximo a Pyongyang, poucos dias depois da aprovação pelo Conselho de Segurança da ONU da oitava série de sanções para tentar convencer o regime norte-coreano a renunciar aos seus programas balístico e nuclear.

A nova resolução das Nações Unidas foi uma punição ao sexto teste nuclear norte-coreano, o mais potente até o momento, que, segundo Pyongyang, aconteceu em 3 de setembro com uma bomba de hidrogênio.

O Conselho de Segurança já anunciou uma reunião em caráter de urgência na tarde de sexta-feira.

O secretário-geral da Otan, Jean Stoltenberg, pediu "uma resposta mundial" após a "violação temerária" das resoluções da ONU.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ainda não se expressou sobre o lançamento mais recente, mas sua administração deseja que Rússia e China, a principal aliada do regime de Kim Jong-Un, pressionem a Coreia do Norte.

A China condenou o lançamento de hoje, pedindo "moderação" às partes envolvidas, em uma declaração da porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying.

O “voo mais longo”

De acordo com o Comando do Pacífico (PACOM) americano, o artefato lançado pela Coreia do Norte era um míssil de médio alcance que não ameaçou o ameaçou os Estados Unidos nem seu território de Guam, no Pacífico, onde o país possui instalações militares estratégicas.

O ministério sul-coreano da Defesa informou que o míssil percorreu 3.700 quilômetros para o leste, antes de cair no Oceano Pacífico.

Este é o "voo mais longo de seus mísseis balísticos", comentou no Twitter Joseph Demsey, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS) com sede no Reino Unido.

"Isto demonstra claramente que a Coreia do Norte dispõe de alcance suficiente - embora talvez não tenha a precisão - para aplicar o projeto Guam", completou.

Ataque ao território americano

O regime norte-coreano ameaçou em agosto disparar quatro mísseis nas proximidades de Guam, em plena escalada de tensão com o governo americano, depois que Pyongyang lançou dois mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) em julho.

Para o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera, a Coreia do Norte tinha "Guam em mente" com o lançamento desta sexta-feira, cujo alcance era suficiente para atingir a ilha americana, situada a 3.400 km do país.

De acordo com o governo japonês, o míssil sobrevoou a ilha nipônica de Hokkaido (norte) às 7H06 locais (19H06 de Brasília, quinta-feira) e caiu no mar a quase 2.000 quilômetros de sua costa.

Tóquio ativou o sistema de emergência J-Alert em vários pontos da região norte do país.

"Está passando um míssil, está passando um míssil, provavelmente sobre Hokkaido em direção ao Pacífico. Não recolham nenhum objeto que possam encontrar", afirmava o alerta.

“Atos de provocação”

"O Japão nunca tolerará os perigosos atos de provocação da Coreia do Norte que ameaçam a paz no mundo", reagiu o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

"Se a Coreia do Norte continuar por este caminho, seu futuro não será radiante", completou.

Seul respondeu com testes militares que incluíram o lançamento de mísseis Hyunmu no mar do Japão, segundo o ministério da Defesa. Um dos artefatos percorreu 250 quilômetros, uma distância suficiente para atingir, em tese, o local de onde partiu o míssil norte-coreano em Sunan, perto do aeroporto de Pyongyang.

O presidente sul-coreano Moon Jae-In declarou ao Conselho de Segurança Nacional que o diálogo com o Norte é "impossível em tal situação".

(AFP)

  

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.