Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coreia do Norte: Conselho de Segurança da ONU se reúne para votar resolução dos EUA

media Pyongyang ameaça Washington caso este prossiga exortando a ONU a endurecer suas sanções contra a Coreia do Norte. KCNA via REUTERS

O Conselho de Segurança ONU se reúne nesta segunda-feira (11) para discutir uma resolução apresentada pelos Estados Unidos que impõe ao regime norte-coreano novas sanções, depois dos sucessivos testes de mísseis balísticos e nuclear realizado pelo regime de Kim Jong Un.

Várias versões do texto circularam no final de semana, visando obter o apoio da Rússia e China, membros permanentes do Conselho que podem bloquear a iniciativa americana. A posição dos dois países ainda é incerta.

A resolução que deve ser apresentada hoje exclui um embargo sobre o petróleo, proposto por Washington no início, mas as importações norte-coreanas seriam restritas a 2 milhões de barris por ano. A China fornece a maior parte do petróleo utilizado na Coreia do Norte, o que corresponde a cerca de 500 mil toneladas anuais. A Rússia vende cerca de 40 mil toneladas por ano.

O texto também restringe as exportações para a Coreia do Norte de condensados de gás e de gás natural e proíbe as exportações norte-coreanas de produtos têxteis, segundo setor mais importante da economia do país. O bloqueio das contas no exterior do líder Kim Jong Un, previsto na primeira versão, também foi retirado, assim como a inspeção de navios norte-coreanos em alto mar.

Em Pequim, o Ministério das Relações Exteriores sinalizou que existe a possibilidade de um acordo. Apesar das trocas comerciais importantes que unem os dois países, para o governo chinês, a Coreia do Norte passou dos limites ao realizar o teste nuclear de 3 de setembro, e há necessidade de uma reação conjunta internacional.

Pyongyang volta a fazer ameaças

O governo norte-coreano declarou nesta segunda-feira que os Estados Unidos “pagariam o preço de uma iniciativa na ONU pedindo sanções suplementares." Pyongyang acusa a Coreia de Norte de “manipular” o Conselho de Segurança.

Desde 2006, o Conselho adotou oito rodadas de sanções contra o país com o objetivo de convencer a Coreia do Norte a abandonar seu programa armamentista.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou ontem em entrevista à publicação francesa “Jornal do Domingo” estar “muito preocupado” com os acontecimentos. O ex-primeiro-ministro português não esconde o temor de um conflito e alertou para “ a gravidade da ameaça”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.