Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Combates continuam em Mianmar e refugiados rohingyas já são mais de 18 mil

media Refugiados rohingya em campo de refugiados improvisado em Bangladesh. REUTERS/Mohammad Ponir Hossain

Pelo menos 18.500 refugiados de Mianmar cruzaram a fronteira para Bangladesh, fugindo dos combates que continuavam nesta quarta-feira (30) entre o exército birmanês e os rebeldes muçulmanos rohingyas.

Na área mais afetada pela violência, que já provocou pelo menos 110 mortos em seis dias, várias aldeias foram incendiadas nesta quarta, constatou uma jornalista da AFP durante uma excursão organizada pelo governo.

Os confrontos começaram no dia 25 de agosto, quando centenas de homens, que fariam parte do Arakan Rohingya Salvation Army (ARSA), atacaram dezenas de postos policiais no estado de Rakhine.

Na cidade de Maungdaw, onde foram registrados tiroteios, a tensão era grande: cinco homens da etnia rakhine, budista, foram esfaqueados até a morte, segundo as autoridades. A violência forçou milhares de civis, especialmente da minoria perseguida dos rohingyas, a fugir.

"No total, 18.500 pessoas atravessaram (a fronteira) desde 25 de agosto, quando começaram os combates", disse à AFP Chris Lom, porta-voz da Organização Internacional para as Migrações (OIM). A estimativa tem como base os dados das ONGs que ajudam os refugiados na região de Cox's Bazar, em Bangladesh.

"Também sabemos que pessoas estão bloqueadas na fronteira, mas não sabemos quantas", afirmou Chris Lom, que ressaltou a dificuldade do trabalho na região. Nos últimos dias Bangladesh negou a entrada de parte dos refugiados, principalmente de mulheres e crianças.

Os corpos de duas mulheres e duas crianças rohingyas foram encontrados nesta quarta-feira no rio do lado de Bangladesh, segundo informou à AFP um oficial. Muitos refugiados tentam atravessar o rio que separa os dois países em embarcações precárias ou a nado.

Mais de 400.000 refugiados rohingyas já estão em Bangladesh após fugirem das violências anteriores.
   
Risco de radicalização
   
Os rohingyas são considerados estrangeiros em Mianmar, um país com 90% da população budista, e são apátridas, apesar da presença de algumas famílias há algumas gerações no país.

Eles não têm acesso ao mercado de trabalho, às escolas nem aos hospitais. Nos últimos anos, o auge do nacionalismo budista exacerbou a hostilidade contra o grupo, com vários confrontos que deixaram mortos.

Raramente os rohingyas recorreram à luta armada, mas a situação mudou drasticamente em outubro passado quando um grupo de rebeldes armado com facas lançou ataques surpresas contra postos de fronteira. O exército birmanês reagiu violentamente, iniciando uma campanha de repressão que, segundo a ONU, poderia ser considerada uma limpeza étnica.

Recentemente, uma comissão internacional liderada pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan cobrou de Mianmar mais direitos à minoria muçulmana, que conta com cerca de um milhão de pessoas, sob o risco de "se radicalizar". Mas o governo, liderado pela ex-dissidente Aung San Suu Kyi, tem adotado uma linha dura.

A Prêmio Nobel da Paz acusou na segunda-feira (28) os "terroristas" rohingyas que realizam os ataques no oeste do país de utilizar crianças soldados e incendiar os vilarejos.

A pressão internacional tem aumentado sobre o governo. No domingo, o papa expressou sua solidariedade e pediu respeito aos direitos dos "nossos irmãos rohingyas". Já a ONU pediu proteção aos civis.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.