Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coalizão árabe admite erro em bombardeios com alvos civis no Iêmen

media Destruição causada por bombardeio em Sanaa, Iêmen (25/08/17). REUTERS/Khaled Abdullah TPX IMAGES OF THE DAY

A coalizão liderada pela Arábia Saudita, que combate no Iêmen, admitiu neste sábado (26) que bombardeou por engano alvos civis na véspera, em Sanaa, com um resultado de 14 mortes.

Depois de uma investigação, os militares concluíram que "por trás do acidente, houve um erro técnico", segundo comunicado difundido pela agência de notícias saudita.

Pelo menos 14 pessoas, entre elas seis crianças, morreram na sexta-feira (25) em um bombardeio contra a capital do Iêmen.

A televisão dos rebeldes xiitas huthism, que controlam a cidade desde 2014, atribuiu o ataque à coalizão militar árabe que apoia as forças do presidente Abd Rabo Mansur Hadi.

O bombardeio, que aconteceu por volta das três da madrugada pelo horário local (0h GMT, 21h de quinta-feira pelo horário de Brasília), destruiu dois edifícios em Faj Attan, um bairro residencial do sul de Sanaa.

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos anunciou horas antes que 42 civis morreram na semana passada nos bombardeios executados pela coalizão árabe. Esse balanço não considerava o bombardeio de sexta-feira.

A coalizão dirigida por Riad começou seus ataques no Iêmen em 2015, em apoio do governo do presidente Abd Rabo Mansur Hadi contra os rebeldes huthis, aliados das tropas do ex-presidente iemenita Ali Abdalah Saleh.
 

(com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.