Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Herdeiro da Samsung é preso na Coreia do Sul por corrupção

media Lee Jae-yong, herdeiro da Samsung, deixa tribunal em Seul, na Coreia do Norte, após ouvir sua sentença de prisão por corrupção, em 25 de agosto de 2017. REUTERS/Chung Sung-Jun/Pool

Lee Jae-Yong, herdeiro do império Samsung, foi condenado nesta sexta-feira (25) a cinco anos de prisão em um processo por corrupção. Trata-se de uma parte do escândalo que resultou na destituição da ex-presidente sul-coreana, Park Geun-Hye.

A condenação de Lee Jae-Yong, vice-presidente da Samsung Electronics e filho do presidente do grupo Samsung, Lee Kung-Hee, poderia deixar a Samsung sem comando por alguns anos e afetar a tomada de decisões importantes para o desenvolvimento da empresa. A promotoria do caso havia solicitado 12 anos de prisão para Lee Jae-Yong,

Lee, de 49 anos, chegou algemado ao tribunal, em um bairro central da capital, Seul. Ele foi declarado culpado por suborno, desvio de fundos, fuga de capitais e perjúrio, acusações relacionadas ao pagamento ou à promessa de pagamento de 43 bilhões de wons (US$ 38 milhões) à melhor amiga de da ex-presidente Park Geun-Hye, Choi Soon-Sil, atualmente na prisão.

O tribunal considerou que o pagamento tinha como objetivo obter o apoio do governo a uma fusão de duas filiais da Samsung em 2015, uma transação considerada crucial para a transferência de poder na empresa a Lee após o problema cardíaco sofrido por seu pai, em 2014. A defesa do vice-presidente da empresa negou as acusações, alegando que Park pressionou a Samsung, que fez as doações sob coação. Segundo seus advogados de defesa, Lee não estava a par dos pagamentos e nunca os aprovou.

Protestos contra os "chaeboles", os conglomerados familiares sul-coreanos

Outros quatro executivos da Samsung também foram declarados culpados e condenados a penas de até quatro anos de prisão. Os advogados de Lee Jae-Yong anunciaram que pretendem apelar contra a sentença. Os manifestantes que exigiram o impeachment da ex-presidente Park, em um contexto de crescentes frustrações econômicas e sociais, também protestaram contra os executivos dos "chaeboles", os conglomerados familiares sul-coreanos.

Os "chaeboles" da quarta maior economia da Ásia mantêm há vários anos uma cumplicidade nada saudável com o poder político local. No passado, os problemas de vários executivos destas empresas com a Justiça sempre terminaram em penas leves - muitas vezes com suspensão condicional -, depois que os tribunais ressaltavam a contribuição dos réus para a economia do país.

Quase 800 policiais foram mobilizados para proteger a área ao redor do tribunal do distrito central de Seul e evitar potenciais confrontos. A expectativa era tão grande que o tribunal recebeu centenas de pedidos para as 30 cadeiras reservadas ao público da sala de audiências 417, e teve que fazer um sorteio. O processo de Park começou na mesma sala em maio, em um tribunal pelo qual também passou o pai de Lee, condenado em 2008 à prisão com suspensão condicional da pena por fraude fiscal, entre outras acusações.

O julgamento deverá beneficiar politicamente o sucessor de Park, Moon Jae-In, que prometeu acabar com as relações corruptas profundamente enraizadas entre os poderes político e econômico.

Escândalo abalou profundamente Samsung, responsável por 20% do PIB do país

Desde o escândalo, cada vez mais vozes exigem uma reforma dos "chaeboles". A Samsung acabou com seu Escritório de Estratégias de Futuro, um pequeno grupo de veteranos que respondia apenas à família Lee, e prometeu dar mais poder aos conselhos de administração.

O escândalo abalou profundamente o conglomerado, responsável por 20% do PIB sul-coreano. Os analistas divergem a respeito do impacto da sentença. O vice-presidente da Samsung Electronics está em detenção preventiva desde fevereiro deste ano, mas isto não impediu a empresa de anunciar um grande lucro, graças aos cartões de memória utilizados na fabricação de computadores, servidores e celulares nos últimos meses.

Geoffrey Cain, autor de um livro que será publicado sobre a Samsung, afirmou que a empresa tomou várias decisões estratégicas. "Os 'chabeoles' estão acostumados com seu líder na prisão, podem superar", declarou.

Chung Sun-Sup, diretor do site de análises chaebul.com, considera que as decisões vitais "precisam ser ratificadas pelo patriarca da família reinante". Com o herdeiro na prisão, a tomada de decisões pode ficar mais lenta.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.