Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Irã ameaça abandonar acordo nuclear devido a sanções dos EUA

media Hassan Rohani, reeleito para um segundo mandato de quatro anos no Irã, em 22 de maio de 2017. ATTA KENARE / AFP

O Irã poderia abandonar o acordo nuclear assinado com as grandes potências "em questão de horas", caso o governo dos Estados Unidos prossiga com sua política de "sanções e coerções", ameaçou nesta terça-feira (15) o presidente iraniano Hassan Rohani.

Assinado em julho de 2015 entre Teerã e as grandes potências, o acordo prevê que o Irã limite seu programa nuclear ao uso civil em troca da retirada progressiva das sanções internacionais.

Mas a administração norte-americana do presidente Donald Trump, hostil ao pacto concluído pelo antecessor Barack Obama, impôs uma série de sanções jurídicas e financeiras ao Irã, por questões que não estão ligadas às atividades nucleares.

"A experiência frustrada de sanções e coerções levou as administrações anteriores à mesa de negociação", afirmou Rohani em um discurso no Parlamento iraniano, que deverá votar para confirmar seu novo gabinete. Mas se os Estados Unidos "desejam retornar a estes métodos, em um período muito curto de tempo - não semanas ou meses, e sim dias ou horas - nós voltaremos a nossa situação anterior de forma muito mais firme", completou o presidente do país.

Um parceiro não muito “confiável”

O presidente iraniano Hassan Rohani, reeleito em maio deste ano para um segundo e último mandato de quatro anos, afirmou ainda que Trump mostrou ao mundo que "não é um bom sócio". "Nos últimos meses, o mundo viu que os Estados Unidos, além de romper constante e repetidamente seus compromissos no pacto nuclear, têm ignorado outros acordos globais e demonstrado a seus aliados que o país não é um bom sócio, nem um um negociador confiável", alfinetou Rohani.

Em meados de julho de 2017, o governo americano adotou novas sanções jurídicas e financeiras contra pessoas e entidades iranianas vinculadas ao programa balístico, proibido por uma resolução da ONU, e contra a Guarda Revolucionária, o exército de elite do regime iraniano.

Em um contexto de endurecimento das relações entre os dois países desde a posse de Trump em janeiro, o Parlamento iraniano respondeu às sanções americanas com a aprovação de um aumento significativo dos recursos financeiros para o programa balístico do Irã e para a Guarda Revolucionária.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.