Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Mulheres afegãs lançam campanha para ser chamadas por seus nomes

media Mulheres afegãs com seus filhos AFP/Aref Karimi

No último mês, dezenas de mulheres afegãs lançaram uma campanha nas redes sociais para exigir que elas sejam chamadas por seus nomes. No país, existe a tradição de nunca revelar a identidade feminina fora de casa.

Sonia Ghezali, correspondente da RFI em Cabul

A campanha "Onde está meu nome?", organizada por diversas mulheres, tem tomado conta das redes sociais desde o dia 5 julho no Afeganistão. Laleh Osmany, jovem de Hérat, cidade no oeste do país, foi quem iniciou o movimento no Facebook. Ela exige algo que parece simples em diversos lugares no mundo: ser chamada por seu nome.

No Afeganistão, a identidade das mulheres não aparece em suas certidões de nascimento e de casamento. Em cidades mais afastadas, os homens usam até apelidos como "meu animal", "minha cabrita" ou "minha galinha". Quando perguntamos às mulheres nas ruas, por exemplo, se elas são chamadas por seus nomes, elas respondem: "Não, nós temos o hábito de guardar nosso nome em segredo. Se nós o revelássemos, isso nos causaria problemas com nossa família".

Uma professora de Cabul vestida com seu uniforme, só é reconhecida pela sua profissão. Segundo uma tradição local, um homem cujo nome da esposa é conhecido por pessoas que não são de sua família é considerado incapaz de protegê-la.

Sem menção às mulheres

Tahmina Arian, jovem estudante de ciências políticas de 26 anos, moradora de Kaboul, não esperou muito para se juntar ao movimento. Após pesquisar um pouco a respeito, ela se deu conta de que, na maior parte dos cemitérios, não há menção às mulheres. "Fiquei chocada, em alguns túmulos estava escrito 'mulher de fulano'".

Para Tahmina, sem ter um nome público, as mulheres ficam impedidas de se definir como seres humanos e de ter consideração por si mesmas. "Quero que as coisas mudem. Estou cansada de ver que no século 21 as pessoas vivem como se estivessem na Idade Média. É difícil, é doloroso. Se eu não agir, quem agirá? É preciso começar por algum lugar e estamos tentando o máximo que podemos", afirma.

A estudante explica que sua mãe nunca foi chamada pelo nome e sempre recebeu alcunhas como "tia", "irmã", "mãe" ou "esposa". As manifestantes de "Onde está meu nome?" foram criticadas por extremistas religiosos, mas decidiram continuar, mesmo assim, a luta pelo direito das mulheres afegãs.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.