Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 21/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 21/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Turistas mortas em atentado contra praia no Egito eram alemãs

media A entrada do hotel Zahabia, na praia de Hourghada, no Egito, onde as duas turistas alemãs foram mortas na sexta-feira, 14 de julho de 2017. REUTERS/Mohamed Aly

As duas turistas estrangeiras mortas na sexta-feira (14) em um atentado com faca em uma praia do Egito eram alemãs. A confirmação foi feita na manhã deste sábado (15) pelo ministério das Relações Exteriores da Alemanha. O agressor confessou apoiar a “ideologia jihadista”.

No dia seguinte do ataque, as medidas de segurança foram reforçadas no balneário de Hourghada, no leste do país. Quatro pessoas, a maioria estrangeiras, também ficaram feridas no atentado. A nacionalidade das vítimas ficou incerta durante várias horas, até ser confirmada neste sábado.

Em mensagem no Twitter, a chanceler alemã Angela Merkel se disse “profundamente triste pelo assassinato das duas mulheres” e expressou sua “compaixão” aos familiares das vítimas.

Agressor detido

O agressor, que chegou a nado na praia de Hourghada, foi detido. Identificado como Abdel Rahmane, um egípcio de 28 anos, ele foi interrogado pelo Tribunal de Segurança Nacional. Segundo as autoridades egípcias, ele confessou ser adepto das ideias jihadistas.

Este atentado, o primeiro contra um balneário no país desde janeiro de 2016 que deixou três turistas europeus feridos a faca, pode representar um novo golpe contra o setor turístico. Forças de Ordem, turistas e a minoria cristã do Egito são alvos frequentes de ações violentas de movimentos extremistas, como o grupo Estado Islâmico, desde a destituição pelo exército do presidente Mohamed Morsi, em 2013.

O ataque de sexta-feira ainda não foi reivindicado. Também ontem, cinco policiais egípcios foram mortos a tiros no sul do Cairo por três homens não identificados, que conseguiram fugir.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.