Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Turquia demite mais de 7 mil policiais, soldados e funcionários de ministérios

media Soldados turcos foram demitidos REUTERS/Kenan Gurbuz

Mais de 7 mil policiais, soldados e funcionários de ministérios foram demitidos na Turquia, segundo um novo decreto publicado nesta sexta-feira (14) em meio ao estado de emergência imposto devido ao frustrado golpe de Estado de julho de 2016, informou a agência de notícias oficial Anatólia.

No total, 7.563 pessoas perderam o seu posto neste novo expurgo, e as autoridades rebaixaram 342 militares reformados.

O jornal Hürriyet informou pouco antes a demissão de 7.348 pessoas, entre elas 2.303 policiais.

O governo publicou o decreto na véspera do primeiro aniversário da tentativa de golpe de 15 de julho de 2016.

O clérigo turco Fethullah Gülen, que vive nos Estados Unidos e é considerado por Ancara o cérebro da tentativa de golpe, voltou a negar nesta sexta-feira ter se envolvido nesse "desprezível golpe" e condenou a "caça às bruxas" realizada pelas autoridades turcas.

Em comunicado, Gülen condenou também a "repressão sem precedentes" contra o seu movimento Hizmet.

"Infelizmente, por conta dessa tragédia, prejudicaram muitos inocentes, ilegalmente demitidos, detidos, encarcerados e inclusive torturados. Tudo isso sob a ordem do governo", disse Gülen, que mora há alguns anos na Pensilvânia, leste dos Estados Unidos, e que tem a sua extradição solicitada pela Turquia.

Também acusou o "governo de realizar uma caça às bruxas para eliminar todo aquele considerado desleal ao presidente Erdogan e ao seu regime".

Ancara deteve 50 mil pessoas e demitiu mais de 100 mil desde julho do ano passado.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.