Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Catar chama de "irrealista" lista de exigências de países vizinhos

media O ministro do Exterior do Kuwait, xeque Sabah al-Khaled al-Sabah, recebe o colega do Catar, xeque Mohammad Bin Abdulrahman al-Thani HO / KUWAIT EMIRI DIWAN / AFP

O Catar chamou nesta terça-feira (4) de "irrealista e inaplicável" a lista de reivindicações apresentada por seus países vizinhos para acabar com a crise diplomática.

"Não é terrorismo. Estamos falando, simplesmente, de acabar com a liberdade de expressão", afirmou em entrevista coletiva o ministro das Relações Exteriores, xeque Mohamed ben Abdulrahman Al-Thani.

Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito elaboraram uma lista com suas exigências para uma mudança de política no Catar, acusado de apoiar o extremismo.

Entre as reivindicações estão o fechamento do canal de televisão Al-Jazeera, o fim de uma base militar turca e a redução das relações com o Irã.

Na segunda-feira (3), o país entregou sua resposta ao Kuwait, que atua como mediador na crise, mas já havia rejeitado de modo implícito a lista de exigências, por considerá-las uma tentativa de atacar sua soberania.

Nesta terça, o ministro não entrou em detalhes, mas assegurou que o Catar busca uma solução através do diálogo para a crise.

"Adotamos uma atitude muito construtiva desde o início da crise. Estamos tentando atuar de maneira adulta", ressaltou.

Nesse contexto, o ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes, Anwar Gargash, tuitou que "estamos diante de uma mudança histórica que não tem nada a ver com o tema da soberania".

Segundo ele, o Catar deve escolher "entre preservar as relações com os vizinhos ou se divorciar".

Acusação de apoio ao terrorismo

Os quatro países árabes romperam relações com o Catar em 5 de junho passado. Os vizinhos o acusam de apoiar o "terrorismo" e de uma aproximação com o Irã. Os catarianos rejeitam essas acusações.

Também se adotou uma série de sanções econômicas. O governo dos Emirados considerou, porém, que é "prematuro" falar sobre medidas adicionais contra o Catar.

Os países adversários se reúnem no Egito, nesta quarta-feira (5), para um pronunciamento sobre a resposta do governo do Catar, que não foi revelada.

Além da ruptura das relações diplomáticas, os quatro países fecharam seu espaço aéreo ao Catar.

A Arábia Saudita - grande rival regional do Irã-, Bahrein e Emirados pediram aos cidadãos do Catar que abandonassem seus territórios, e Riad fechou a única fronteira terrestre do Catar. A medida obrigou o país a recorrer a Irã e Turquia para suprir as necessidades de alimentos importados por via aérea ou marítima.

Apesar das sanções, o presidente da Qatar Petroleum (QP), Saad al-Kaabi, anunciou a intenção do país, principal exportador mundial de gás natural liquefeito (GNL) de produzir 100 milhões de toneladas de gás natural por ano até 2024.

"Esse novo projeto vai reforçar a posição do Catar", afirmou Al-Kaabi, antes de acrescentar que o país "continuará por muito tempo o líder mundial do GNL".

Associação com empresas estrangeiras

A atual produção de gás do país alcança 77 milhões de toneladas por ano. Com o aumento anunciado, a produção alcançará o equivalente a 6 milhões de barris de petróleo por dia, explicou Al-Kaabi.

O aumento da produção acontecerá por meio de uma associação com empresas estrangeiras.

Se a Arábia Saudita e seus aliados impedirem a associação, o Catar trabalhará sozinho no aumento da produção, garantiu o presidente da QP.

Na segunda-feira, o Irã assinou um acordo de US$ 4,8 bilhões para extração de gás, com um consórcio internacional liderado pela empresa francesa Total.

Em abril, a QP anunciou a intenção de aumentar em 10% a produção de sua jazida offshore North Field, que compartilha com o Irã, encerrando uma moratória em vigor desde 2005 à espera de estudos sobre as consequências a longo prazo de uma exploração mais ampla.

O país reservou bilhões de dólares para o desenvolvimento da jazida, e Al-Kaabi afirmou em abril que era o momento de acabar com a moratória.

De acordo com o Observatory of Economic Complexity, especializado em comércio internacional, entre 1997 e 2014, o Catar arrecadou US$ 125 bilhões por suas exportações de GNL.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.