Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Morre Noriega, ex-ditador do Panamá

media Morre aos 83 anos Manuel Noriega, ex-ditador do Panama REUTERS/Alberto Lowe/File Photo

O ex-ditador Manuel Antonio Noriega, que dirigiu o Panamá entre 1983 e 1989, morreu nesta segunda-feira (29), aos 83 anos. Ele estava internado em um hospital desde março, depois de ser operado para a retirada de um tumor no cérebro.

Noriega deixou a prisão "El Renacer", às margens do Canal do Panamá, no final janeiro para ser operado de um tumor benigno no hospital público São Tomás, da capital panamenha. Ele teve uma hemorragia cerebral depois da cirurgia, feita em março, e precisou passar por uma nova intervenção.

Depois de duas operações em oito horas, seu estado permaneceu crítico e ele não conseguiu se recuperar. Segundo o médico do ex-ditador, Eduardo Reyes, o tumor cresceu mais do que o esperado, o que acelerou a necessidade de uma cirurgia para evitar danos ao sistema cerebral, apesar do alto risco.

Os parentes solicitaram a concessão do benefício da prisão domiciliar definitiva para Noriega, que sofreu vários derrames cerebrais, complicações pulmonares, câncer de próstata e depressão, mas todas as demandas foram rejeitadas.

“A morte de Manuel A. Noriega fecha um capítulo de nossa história. Suas filhas e seus familiares merecem um enterro em paz", escreveu o atual presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, em sua conta no Twitter. O advogado de Noriega, Ezra Ängel, pediu "respeito à intimidade dos familiares".

Ex-aliado dos EUA

Noriega, condenado por mortes e desaparecimentos, chegou a ser fonte da CIA, mas passou de aliado dos Estados Unidos a inimigo vinculado ao narcotráfico. O ex-presidente americano George H. W. Bush (1989-1992), ex-diretor da CIA, ordenou a invasão do Panamá em 20 de dezembro de 1989 para capturar Noriega. A operação, conhecida como "Justa Causa", deixou oficialmente 500 mortos. Algumas ONGs, no entanto, citam mais de milvítimas fatais. Noriega sempre negou participação nos crimes.

Derrubado após a violenta invasão militar americana, Noriega, que estava refugiado na Nunciatura, se entregou em 3 de janeiro 1990. Foi condenado nos Estados Unidos a 40 anos de prisão por narcotráfico e lavagem de dinheiro neste país, mas cumpriu apenas quase metade da pena por bom comportamento.

Em 2010 foi extraditado para a França por lavagem de dinheiro e um ano depois extraditado ao Panamá, onde foi condenado a três penas de 20 anos de prisão cada pelo desaparecimento e assassinato em 1985 do opositor Hugo Spadafora; do militar Moisés Giroldi, morto após uma rebelião contra seu governo em 1989; e pelo massacre de Albrook, no qual vários militares morreram após uma revolta no mesmo ano.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.