Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Arquivamento do processo não garante liberdade de Assange

media Para Assange, a luta está só começando. Reuters

Com seu processo por estupro na Suécia arquivado, Julian Assange, fundador do WikiLeaks refugiado na embaixada equatoriana de Londres desde 2012, tem cinco possibilidades à sua frente.

1) Assange sai da embaixada e vai para prisão

Depois de cinco anos preso em condições difíceis na embaixada do Equador, Julian Assange quer a liberdade. Mas assim que ele sair, a polícia britânica prometeu prendê-lo por ter violado as condições de sua liberdade condicional quando se refugiou na legação diplomática, ao invés de se entregar para sua extradição à Suécia. Parece pouco provável que enquanto resolvem o caso voltem a lhe conceder liberdade condicional. O australiano pode pegar até um ano de prisão, pena máxima por este crime.

2) Assange é extraditado para os Estados Unidos

O fundador do WikiLeaks sempre considerou que a investigação por estupro da qual era alvo na Suécia não era mais do que uma manobra para extraditá-lo aos Estados Unidos, onde poderia ser julgado pela publicação de documentos secretos militares e diplomáticos. Essa possibilidade não desapareceu, e a promotoria britânica não quis confirmar ou negar à AFP se tem sobre a mesa uma demanda de extradição de Washington.

Os Estados Unidos tampouco disseram claramente o que querem. Quando questionaram o procurador-geral Jeff Sessions se a prisão de Assange era uma prioridade, ele não esclareceu se havia solicitado formalmente a sua captura: "buscaremos colocar algumas pessoas na cadeia", se limitou a dizer.

3) Assange é extraditado para a Suécia

Essa hipótese parece surpreendente, mas não seria tanto, como explicou o comentarista britânico David Allen Green em sua conta no Twitter. "Se Assange for detido no Reino Unido, a Suécia poderia revisar sua decisão porque a extradição seria mais fácil", escreveu. E a Suécia arquivou o processo não por falta de provas, mas pela dificuldade de seguir em frente com o caso. Os fatos não irão prescrever até 2020.

4) Assange segue mantido na embaixada

Diante de tais ameaças, Assange poderia continuar na embaixada. Em 19 de junho completará cinco anos morando no edifício lúgubre do bairro de Knightsbridge, onde vive em um pequeno espaço, recebendo visitas regulares de amigos e celebridades, como a atriz americana Pamela Anderson.

5) Assange consegue chegar ao Equador

Após saber do arquivamento do processo, Quito, que concedeu asilo a Assange, solicitou a Londres que permita sua viagem ao Equador. As autoridades britânicas sempre se negaram a permitir a saída de Assange do país e não deram sinais de que iriam perdoar sua dívida com a Justiça.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.