Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coreia do Norte é suspeita de ligação com ciberataque global

media O líder norte-coreano Kim Jong Un pode estar por trás do ciberataque global KCNA/ via REUTERS

A Coreia do Norte pode estar envolvida no recente ciberataque global que afetou computadores em todo o mundo, segundo especialistas em segurança informática. Um investigador do Google, Neel Mehta, encontrou um código que revela semelhanças entre o vírus "WannaCry" e uma vasta campanha de ciberataques atribuída a Pyongyang.  

Para pesquisadores da Kaspersky, uma empresa de segurança sediada na Rússia, a pista é importante, mas “necessita de mais dados sobre as versões antigas do Wannacry" para confirmá-la.

Segundo a Kaspersky, as semelhanças envolvendo o código apontam para um grupo de hackers conhecido como Lazarus, que estaria por trás do ataque de 2014 contra a Sony Pictures e também é suspeito de invadir os sistemas do Banco Central de Bangladesh e outras instituições financeiras.

O "WannaCry" sequestra os arquivos do usuário e os obriga a pagar 300 dólares (275 euros) para recuperá-los.O resgate é solicitado em moeda virtual, bitcoin, particularmente difícil de rastrear.

Sistemas foram atualizados

O ataque cibernético afetou nesta segunda-feira (15) países asiáticos, mas com consequências bem menores que as registradas na sexta-feira passada (12). No Japão, a rede de computadores do conglomerado Hitachi ficou "instável". Na China, "centenas de milhares" de computadores e cerca de 30.000 instituições foram afetados, de acordo com Qihoo 360, fornecedor de softwares antivírus.

O número de vítimas parece não ter aumentado e a situação parece estável na Europa, disse o porta-voz da Europol, Jan Op Gen Oorth. Muitos sistemas foram atualizados no final de semana para enfrentar a ameaça.As equipes trabalharam duro para atualizar os computadores da organização, indicou nesta segunda-feira o secretário britânico da Segurança Ben Wallace na BBC, mas as perturbações ainda eram observadas.

O ataque também afetou o sistema bancário russo, o grupo americano FedEx, a empresa espanhola de telecomunicações Telefónica ou ainda universidades na Grécia e na Itália, e provocou sua cota de turbulência política. Enquanto os hackers russos são regularmente apontados como culpados, o presidente russo, Vladimir Putin, declarou que seu país "não tinha absolutamente nada a ver" com o "WannaCry".

A Microsoft alertou os governos contra a tentação de esconder vulnerabilidades identificadas, como no caso deste ataque, onde a falha no sistema Windows utilizada pelos hackers foi detectada há tempos pela NSA (agência de segurança nacional americana) antes de cair em domínio público através de documentos hackeados de dentro da NSA.

(Com informações da AFP)
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.