Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

EUA pedem sanções mais duras contra Coreia do Norte após lançamento de míssil

media Sul-coreanos assistem em TV de estação ferroviária de Seul a trajetória percorrida pelo míssil norte-coreano. Kim Do-hoon/Yonhap via Reuters

Os Estados Unidos pediram neste domingo (14) sanções mais fortes contra a Coreia do Norte após o lançamento de um novo míssil, o primeiro teste balístico do regime comunista desde a posse de um novo presidente na vizinha Coreia do Sul.
 

O míssil, lançado da estação de Kusong, no noroeste do país, foi disparado às 5h30 locais (17h30 de Brasília de sábado) e percorreu cerca de 700 quilômetros antes de cair no mar do Japão, indicou o Estado-Maior Conjunto de Seul. "Que esta última provocação sirva de chamado a todas as nações para implementar sanções muito mais fortes contra a Coreia do Norte", declarou a Casa Branca em um comunicado. O míssil caiu "tão perto do solo russo (...) que o presidente não pode imaginar que a Rússia esteja feliz", lê-se na nota.

Mais tarde, o ministério da Defesa russo afirmou que o míssil havia caído a 500 km de sua fronteira e que "não representa nenhum perigo" para o país. Pouco antes, o Kremlin afirmou que o presidente russo, Vladimir Putin, e o líder chinês, Xi Jinping, expressaram sua preocupação "pela escalada de tensões" durante uma reunião em Pequim.

A China reagiu pedindo moderação e lembrou que "se opõe à violação por parte da Coreia do Norte das resoluções do Conselho de Segurança", indicou o ministério das Relações Exteriores em um comunicado. Por sua vez, a União Europeia afirmou que este lançamento norte-coreano representa uma "ameaça para a paz e a segurança internacionais".

Após o lançamento, o novo presidente sul-coreano, Moon Jae-In, empossado nesta semana, convocou uma reunião de emergência com seu gabinete de segurança. "O presidente (...) expressou seu profundo pesar depois da provocação insensata do Norte, lançada apenas dias depois do início de um novo governo no Sul", disse um porta-voz presidencial.

Trata-se do segundo lançamento de um míssil em cerca de duas semanas e do primeiro desde que Moon Jae-In chegou ao poder. Em fevereiro, Pyongyang lançou um míssil da mesma posição. Na época, o armamento conseguiu percorrer cerca de 500 quilômetros.

"Grave ameaça" para o Japão

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, classificou o lançamento deste domingo como "totalmente inaceitável" e de "grave ameaça" para Tóquio. O míssil permaneceu no ar durante meia hora, antes de cair no mar do Japão, situado entre os dois países, informou o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga. Outro míssil de testes lançado em março também caiu em uma zona muito próxima ao Japão, provocando alerta em Tóquio.

Desde o ano passado, a Coreia do Norte realizou dois testes nucleares e dezenas de testes de mísseis balísticos, em sua tentativa de desenvolver armamentos que possam alcançar o território dos Estados Unidos. Washington advertiu que todas as opções militares estão sobre a mesa, embora recentemente Donald Trump tenha suavizado seu discurso e dito que ficaria honrado em se reunir com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

O novo presidente sul-coreano disse em sua posse que é favorável ao diálogo com o Norte. Ele afirmou estar  disposto a visitar Pyongyang se existirem as circunstâncias adequadas. Mas neste domingo o novo presidente advertiu que o diálogo só será possível se "o Norte mudar de atitude".

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.